Domingo, 26 de Junho de 2016

Televisão japonesa

Excertos (terceira semana de junho).


 
publicado por industrias-culturais às 20:33
link | comentar | favorito
Quinta-feira, 2 de Junho de 2016

A PIDE antes da PIDE

1. A PIDE antes da PIDE é uma série documental realizada por Jacinto Godinho e com coordenação científica de Irene Pimentel, em nove episódios, na RTP 2. No episódio inicial, falou-se do capitão Agostinho Lourenço, diretor da Polícia Internacional em 1931, primeiro diretor da PVDE (1933) e da PIDE (1945), revelando o seu passado ligado aos republicanos de direita, à sua passagem na I Guerra Mundial e relação com Sidónio Pais e Machado dos Santos, este o herói do 5 de outubro de 1910 e presente em muitos golpes políticos durante a I República até ao seu assassinato.

Do que vi, trata-se de um trabalho sério, muito assente em arquivos e comentários de especialistas não longos mas esclarecedores e que assume, se necessário, a dificuldade de provas em algumas ligações quando a investigação não o conseguiu estabelecer. Muitas imagens e documentos, além de uma locução eficaz - vistos no primeiro episódio -, dão vontade de continuar a ver a série.

2. A série levanta a questão da História das associações e do futuro do historiador. Este tem-se visto ameaçado pelo trabalho dos amadores que escrevem na internet e são responsáveis por sítios de grande procura como os relacionados com genealogias (caso do geneall). Estes sítios são crescentemente rentáveis. A História é também aproveitada pelas séries de televisão como o (Conta-me como Foi). Neste aspeto, a jornalista Helena Matos destacou-se, porque foi conselheira científica e tem trabalhado em programas da rádio pública. Uma terceira atividade crescente é a dos guias de turismo nas cidades.

A História deixa o lado enfadonho de mergulhar em arquivos e seguir a vida de pessoas importantes ou famosas e passa a ser uma disciplina que aproveita o contributo de muitos milhares de pequenos produtores de informação que colocam fotografias, memórias ou simples ângulos de vista de um acontecimento. Para ler sobre esta matéria: Pedro Ramos Pinto e Bertrand Taithe (2015). The Impact of History? Histories at the Beginning of the Twenty-First Century.
publicado por industrias-culturais às 17:52
link | comentar | favorito
Terça-feira, 17 de Maio de 2016

Consumos de media


Foi ontem de manhã que a ERC, a Universidade Católica e a GfK apresentaram o estudo As Novas Dinâmicas do Consumo Audiovisual em Portugal, mais assente na televisão que nos restantes media audiovisuais. Conforme alguém da assistência resumia na parte de debate, desapareceram alguns mitos da atual conceção dos media: a internet atinge 60% da população, a televisão é o meio audiovisual de maior consumo de informação e entretenimento, o consumo é fundamentalmente linear (o consumo posterior ou time-shift tem uma expressão de 12%).

O cenário do auditório em que decorreu a apresentação dos resultados estava bonito - parecia a sala de estar onde consumimos habitualmente a televisão, a preparar a apologia deste meio de comunicação. Os resultados foram apresentados por Nelson Ribeiro e Catarina Burnay, investigadores da Universidade Católica, e Joelma Garcia e Natacha Cabral, especialistas e responsáveis da GfK.

Retenho-me no sumário executivo do documento apresentado (total de 66 páginas, e que pode ser lido aqui). O sumário executivo divide-se em duas partes (consumo de media; consumo de conteúdos audiovisuais). Enfatizo a segunda parte do sumário executivo: equipamentos/aparelhos, consumo por tipos de conteúdos, consumo em direto versus em diferido, multi-ecrãs, rotinas de consumo de televisão indoor, outdoor e em linha e subscrição de conteúdos em linha. Foco ainda mais em pormenor no consumo por tipos de conteúdos: informação (89,5%), telenovelas, filmes e séries (56,3%), entretenimento (50,3%), documentários (47,2%), desporto (44,6%) música e desenhos animados (perto de 30%). O trabalho de campo, realizado pela Intercampus, foi feito entre 3 de outubro e 30 de novembro de 2015, num processo de random-route para seleção do lar e teve uma amostra inicial de 1018 entrevistas.

A conferência terminou com a participação de Nuno Artur Silva (RTP) e José Eduardo Moniz (especialista de televisão e antigo diretor-geral da TVI)

[vídeos com parcelas das intervenções de Catarina Burnay e Joelma Garcia]

publicado por industrias-culturais às 12:14
link | comentar | favorito
Segunda-feira, 2 de Maio de 2016

Associações e coletividades

Tenho colaborado com a Arroios TV, na rubrica Associações e Coletividades. O primeiro episódio foi sobre a Confederação Portuguesa das Coletividades de Cultura, Recreio e Desporto. O segundo, com vídeos aqui, foi sobre o Teatro Bocage. Entrámos pelas peças, nos ensaios, nos bastidores e nas conversas com responsáveis pela produção, encenação e representação.


publicado por industrias-culturais às 13:50
link | comentar | favorito
Quinta-feira, 10 de Março de 2016

Autobiografia de Carlos Cruz

Carlos Cruz, 73 anos, antigo locutor e apresentador de rádio e televisão, lança a sua autobiografia (592 páginas e 250 fotografias), Uma Vida, onde escreve sobre a sua carreira. O livro tem prefácios do ator Virgílio Castelo e do jornalista Adelino Gomes e posfácio do fadista Carlos do Carmo. A sessão de apresentação está indicada para as 18:30 do dia 22 no Altis Grand Hotel, com apresentação de D. Januário Torgal Ferreira, e participação de Ruy de Carvalho e dos músicos Jorge Quintela, Nanã Sousa Dias e Paulo Ramos.

Carlos Cruz foi locutor e produtor de programas (como Zip-Zip, que partilhou com dois outros grandes homens dos media, José Fialho Gouveia e Raul Solnado, e Pão com Manteiga), diretor de informação, diretor de programas e diretor-coordenador da RTP1.
publicado por industrias-culturais às 18:25
link | comentar | favorito
Sábado, 2 de Janeiro de 2016

Audiências de televisão em 2015 e jornalismo de referência

Retiro do Diário de Notícias online: "Os quatro canais generalistas registaram, em 2015, uma quota de mercado inferior à do ano anterior. A TVI continua a ser o canal preferido dos portugueses (22,5% de share em 2015 e 23,5% no ano anterior). A SIC segue em segundo lugar (18,7% em 2015, 19,1% em 2014), a RTP1 em terceiro (14,8% em 2015, 15,6% no ano anterior). A RTP2 registou 2% de share em 2015, menos uma décima do que em 2014. Números que se explicam com o crescimento de audiência dos canais por cabo, tendência que já se verifica de alguns anos a esta parte: assim, o conjunto de canais de cabo registou, em 2015, um share de 31,1% (contra os 29,3% do ano anterior). No segmento dos canais de informação, de assinalar a tendência de crescimento da SIC Notícias e da TVI24 e a queda da RTP3. O canal de notícias da SIC registou, em 2015, um share de 1,9% (1,7% em 2014). A TVI24 subiu dos 1,3% de 2014 para 1,6% em 2015. O canal de informação da estação pública de televisão caiu uma décima (0,9%)".

A descida dos canais generalistas e a subida dos canais por cabo acompanha, noutros media, a quebra de leitura de jornais em papel e o crescimento do consumo da internet nomeadamente em telemóveis inteligentes, situação verificável nos últimos anos. A interatividade e a autoedição tornam-se cada vez mais atrativas do que a receção passiva. Mas falta a edição crítica e de referência, como se lê no artigo de José Pacheco Pereira hoje no Público: "Os jornalistas têm um grande masoquismo, para não lhe chamar outra coisa, ao dar estatuto noticioso às “redes sociais”, sem a mediação e edição jornalística". E ele conclui: "cada vez mais o chamado “jornalismo de investigação” está no centro do jornalismo que ainda sobrevive em papel". Ou Alexandra Lucas Coelho, no dia 27 de dezembro último com o texto Para não acabar de vez com os jornais (e a democracia), onde ela lamenta o desaparecimento de jornais como Sol e i, os despedimentos no Público, a sua condição de colaboradora após a vaga anterior de despedimentos de jornalistas. Ela pede que o Público, dado ser um "perdório" de dinheiro desde o seu início, que se transforme em modelo de fundação e se defina como meio de responsabilidade social.

A quebra de audiências nos canais generalistas tem consequências, como menos trabalho e encomendas mas o modelo parece condenado, pela perspetiva generalista dos canais. Houve esse tempo de ouro do modelo generalista mas agora há uma inclinação para a especialização temática. Contudo, à perda de audiências dos canais generalistas assiste-se a um aumento do poder negocial dos operadores de telecomunicações, evidente nos negócios das três últimas semanas com os clubes desportivos mais fortes em Portugal. Esse maior poder negocial dos operadores de telecomunicações transfere para estes as decisões de conteúdos, o que não é igualmente bom para o pluralismo de expressões culturais.
publicado por industrias-culturais às 19:35
link | comentar | favorito
Domingo, 13 de Dezembro de 2015

Quando a rádio mandava na RTP

O Diário Popular, de 31 de março de 1968, publicava uma notícia sobre a assembleia-geral da RTP. Os corpos gerentes eram: a presidente da assembleia-geral o Posto Emissor de Radiodifusão do Funchal, o Conselho de Administração tinha elementos de Rádio Clube Português e Rádio Renascença e Manuel Bivar (diretor técnico da Emissora Nacional) e o Conselho Fiscal tinha elementos de Rádio Clube de Moçambique e dos Emissores do Norte Reunidos. Por Rádio Clube Português, estava Alberto Lima Basto, falecido pouco depois e substituído por Júlio Botelho Moniz.


publicado por industrias-culturais às 21:31
link | comentar | favorito
Sexta-feira, 16 de Outubro de 2015

Arroios TV


Arroios TV from Rogério Santos on Vimeo.

Arrancou ontem o canal de televisão Arroios TV, projeto daquela autarquia de Lisboa. Segundo notícia ontem do jornal Público, são cerca de 48 mil euros investidos - 35 mil para a aquisição de equipamentos como câmaras de filmar e computadores, 10 mil para o estúdio, localizado num dos pólos da junta de freguesia, e 2350 euros para a anuidade do canal MEO.

Ainda de acordo com a mesma notícia, "não há uma equipa própria para a Arroios TV, esta será composta por pessoas que trabalham simultaneamente noutros projectos e se voluntariaram para ajudar. Muitos deles são jovens em estágio profissional". A transmissão do canal será feita de segunda a sexta-feira, das 10 às 18 horas, com repetições aos fins-de-semana. A Arroios TV será inicialmente transmitida nos pólos que a junta tem na freguesia mas em breve será alargada a outros locais, como os mercados. A transmissão pode ser vista no canal Meo 5050 (www.kanal.pt/5050). Na mesma notícia, indica-se que o canal Arroios TV pretende reforçar a sua componente internacional ao incorporar o projeto de cinema Arroios Film Festival 2016 (1 a 8 de julho), conciliando multiculturalidade e cinema,

[o vídeo mostra alguns preparativos e entrevistas a alguns dos principais intervenientes]
publicado por industrias-culturais às 11:12
link | comentar | favorito
Quarta-feira, 14 de Outubro de 2015

Arroios TV

Amanhã, a partir das 10:00, a Arroios TV começa a emitir em direto do Largo do Intendente Pina Manique, Lisboa. Projeto da Junta de Freguesia de Arroios, estará presente na emissão inaugural o olisipógrafo José Sarmento de Matos. O acesso à emissão faz-se através do canal 5050 do Meo ou através de www.kanal.pt/5050. Ver vídeo de introdução.
publicado por industrias-culturais às 13:50
link | comentar | favorito
Terça-feira, 8 de Setembro de 2015

Memórias de animadores (entertainers)

Dois dos mais conhecidos animadores de televisão e rádio, Júlio Isidro e Carlos Cruz, preparam as suas memórias. As do primeiro estarão prontas no final deste ano, segundo a TV Guia. As do segundo estarão já escritas mas não conheço o processo de edição.

Quer um quer outro são ou foram figuras destacadas dos media audiovisuais desde meados da década de 1960, nomeadamente concursos e festivais. Ambos foram também locutores de noticiários.
publicado por industrias-culturais às 17:56
link | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

.Junho 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
13
27
28
29
30

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Televisão japonesa

. A PIDE antes da PIDE

. Consumos de media

. Associações e coletividad...

. Autobiografia de Carlos C...

. Audiências de televisão e...

. Quando a rádio mandava na...

. Arroios TV

. Arroios TV

. Memórias de animadores (e...

.arquivos

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

. Março 2004

. Fevereiro 2004

. Janeiro 2004

. Dezembro 2003

. Novembro 2003

. Outubro 2003

. Agosto 2003

. Abril 2003

. Março 2003

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds

Em destaque no SAPO Blogs
pub