Quarta-feira, 1 de Outubro de 2008

SIM, THEODOR ADORNO PODERIA ESCREVER SOBRE SHARON STONE


Em Dialética do Esclarecimento, de Theodor Adorno e Max Horkheimer (1985: 146), lê-se:
  • A heroificação do indivíduo mediano faz parte do culto do barato. As estrelas mais bem pagas assemelham-se a reclames publicitários para artigos de marca não especificada. Não é à toa que são escolhidas muitas vezes entre os modelos comerciais. O gosto dominante toma seu ideal da publicidade, da beleza utilitária. Assim a frase de Sócrates, segundo a qual o belo é o útil, acabou por se realizar de maneira irónica. O cinema faz propaganda do truste cultural enquanto totalidade; no rádio, as mercadorias em função das quais se cria o património cultural também são recomendadas individualmente. Por cinquenta centavos vê-se o filme de milhões de dólares; por dez recebe-se a goma de mascar por trás da qual se encontra toda a riqueza do mundo e cuja venda serve para que esta cresça ainda mais.
Sim, Theodor Adorno poderia escrever sobre Sharon Stone!
publicado por industrias-culturais às 08:00
link | comentar | favorito

SIM, THEODOR ADORNO PODERIA ESCREVER SOBRE SHARON STONE


Em Dialética do Esclarecimento, de Theodor Adorno e Max Horkheimer (1985: 146), lê-se:
  • A heroificação do indivíduo mediano faz parte do culto do barato. As estrelas mais bem pagas assemelham-se a reclames publicitários para artigos de marca não especificada. Não é à toa que são escolhidas muitas vezes entre os modelos comerciais. O gosto dominante toma seu ideal da publicidade, da beleza utilitária. Assim a frase de Sócrates, segundo a qual o belo é o útil, acabou por se realizar de maneira irónica. O cinema faz propaganda do truste cultural enquanto totalidade; no rádio, as mercadorias em função das quais se cria o património cultural também são recomendadas individualmente. Por cinquenta centavos vê-se o filme de milhões de dólares; por dez recebe-se a goma de mascar por trás da qual se encontra toda a riqueza do mundo e cuja venda serve para que esta cresça ainda mais.
Sim, Theodor Adorno poderia escrever sobre Sharon Stone!
publicado por industrias-culturais às 08:00
link | comentar | favorito

SIM, THEODOR ADORNO PODERIA ESCREVER SOBRE SHARON STONE


Em Dialética do Esclarecimento, de Theodor Adorno e Max Horkheimer (1985: 146), lê-se:
  • A heroificação do indivíduo mediano faz parte do culto do barato. As estrelas mais bem pagas assemelham-se a reclames publicitários para artigos de marca não especificada. Não é à toa que são escolhidas muitas vezes entre os modelos comerciais. O gosto dominante toma seu ideal da publicidade, da beleza utilitária. Assim a frase de Sócrates, segundo a qual o belo é o útil, acabou por se realizar de maneira irónica. O cinema faz propaganda do truste cultural enquanto totalidade; no rádio, as mercadorias em função das quais se cria o património cultural também são recomendadas individualmente. Por cinquenta centavos vê-se o filme de milhões de dólares; por dez recebe-se a goma de mascar por trás da qual se encontra toda a riqueza do mundo e cuja venda serve para que esta cresça ainda mais.
Sim, Theodor Adorno poderia escrever sobre Sharon Stone!
publicado por industrias-culturais às 08:00
link | comentar | favorito

SIM, THEODOR ADORNO PODERIA ESCREVER SOBRE SHARON STONE


Em Dialética do Esclarecimento, de Theodor Adorno e Max Horkheimer (1985: 146), lê-se:
  • A heroificação do indivíduo mediano faz parte do culto do barato. As estrelas mais bem pagas assemelham-se a reclames publicitários para artigos de marca não especificada. Não é à toa que são escolhidas muitas vezes entre os modelos comerciais. O gosto dominante toma seu ideal da publicidade, da beleza utilitária. Assim a frase de Sócrates, segundo a qual o belo é o útil, acabou por se realizar de maneira irónica. O cinema faz propaganda do truste cultural enquanto totalidade; no rádio, as mercadorias em função das quais se cria o património cultural também são recomendadas individualmente. Por cinquenta centavos vê-se o filme de milhões de dólares; por dez recebe-se a goma de mascar por trás da qual se encontra toda a riqueza do mundo e cuja venda serve para que esta cresça ainda mais.
Sim, Theodor Adorno poderia escrever sobre Sharon Stone!
publicado por industrias-culturais às 08:00
link | comentar | favorito

SIM, THEODOR ADORNO PODERIA ESCREVER SOBRE SHARON STONE


Em Dialética do Esclarecimento, de Theodor Adorno e Max Horkheimer (1985: 146), lê-se:
  • A heroificação do indivíduo mediano faz parte do culto do barato. As estrelas mais bem pagas assemelham-se a reclames publicitários para artigos de marca não especificada. Não é à toa que são escolhidas muitas vezes entre os modelos comerciais. O gosto dominante toma seu ideal da publicidade, da beleza utilitária. Assim a frase de Sócrates, segundo a qual o belo é o útil, acabou por se realizar de maneira irónica. O cinema faz propaganda do truste cultural enquanto totalidade; no rádio, as mercadorias em função das quais se cria o património cultural também são recomendadas individualmente. Por cinquenta centavos vê-se o filme de milhões de dólares; por dez recebe-se a goma de mascar por trás da qual se encontra toda a riqueza do mundo e cuja venda serve para que esta cresça ainda mais.
Sim, Theodor Adorno poderia escrever sobre Sharon Stone!
publicado por industrias-culturais às 08:00
link | comentar | favorito
Terça-feira, 30 de Setembro de 2008

ESCREVERIA ADORNO SOBRE SHARON STONE?

  • Para o consumidor, não há nada mais a classificar que não tenha sido antecipado no esquematismo da produção. A arte sem sonho destinada ao povo realiza aquele idealismo sonhador que ia longe demais para o idealismo crítico. Tudo vem da consciência, em Malebranche e Berkeley da consciência de Deus; na arte para as massas, da consciência terrena das equipes de produção. Não somente os tipos das canções de sucesso, os astros, as novelas ressurgem ciclicamente como invariantes fixos, mas o conteúdo específico do espectáculo é ele próprio derivado deles e só varia na aparência. Os detalhes tornam-se fungíveis. A breve sequência de intervalos, fácil de memorizar, como mostrou a canção de sucesso; o fracasso temporário do herói, que ele sabe suportar como good sport que é; a boa palmada que a namorada recebe da mão forte do astro; sua rude reserva em face da herdeira mimada são, como todos os detalhes, clichés prontos para serem empregados arbitrariamente aqui e ali e completamente definidos pela finalidade que lhes cabe no esquema. Confirmá-lo, compondo-o, eis aí sua razão de ser. Desde o começo do filme já se sabe como ele termina, quem é recompensado, e, ao escutar a música ligeira, o ouvido treinado é perfeitamente capaz, desde os primeiros compassos, de adivinhar o desenvolvimento do tema e sente-se feliz quando ele tem lugar como previsto. O número médio de palavras da short story é algo em que não se pode mexer. Até mesmo as gags, efeitos e piadas são calculados, assim como o quadro em que se inserem. Sua produção é administrada por especialistas, e sua pequena diversidade permite reparti-las facilmente no escritório. A indústria cultural desenvolveu-se com o predomínio que o efeito, a performance tangível e o detalhe técnico alcançaram sobre a obra, que era outrora o veículo da Ideia e com essa foi liquidada. Emancipando-se, o detalhe tornara-se rebelde e, do romantismo ao expressionismo, afirmara-se como expressão indómita, como veículo do protesto contra a organização. [Max Horkheimer e Theodor Adorno (1985). Dialética do Esclarecimento. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, pp. 117-118]
Quando Adorno escreveu, conjuntamente com Horkheimer, o livro Dialética do Esclarecimento estava no exílio, fugido da Alemanha nazi. Em especial o capítulo sobre "A indústria cultural: o esclarecimento como mistificação das massas" marcou a sua filosofia, ponto de progresso que chegaria até Teoria Estética, texto editado postumamente em 1970. A Dialética é um livro pessimista, aporético.

Sharon Stone, a super-dotada actriz americana muito conhecida por um descruzar de pernas no filme Instinto Fatal (1992, com sequela em 2006), aparece num anúncio da Dior. No sítio da
Sack's, lê-se que "Capture Totale, o primeiro produto anti-idade baseado em uma profunda pesquisa tecnológica e sociológica. Capture Totale oferece resultados anti-idade extraordinários e conta com tecnologias de vanguarda em sua composição. Esta nova geração de cosméticos está aliada a um novíssimo conceito – uma geração de mulheres completamente satisfeitas e confortáveis com sua real idade. Assim como a estrela da campanha de Capture Totale, Sharon Stone, estas mulheres estão em busca da beleza serena e completa".

Certamente, Adorno não hesitaria em escrever sobre a actriz e a publicidade e sobre os "clichés prontos para serem empregados arbitrariamente aqui e ali e completamente definidos pela finalidade que lhes cabe no esquema". Já não há exílio ou histeria mas procura da beleza até ao fim da vida.
publicado por industrias-culturais às 18:38
link | comentar | favorito

ESCREVERIA ADORNO SOBRE SHARON STONE?

  • Para o consumidor, não há nada mais a classificar que não tenha sido antecipado no esquematismo da produção. A arte sem sonho destinada ao povo realiza aquele idealismo sonhador que ia longe demais para o idealismo crítico. Tudo vem da consciência, em Malebranche e Berkeley da consciência de Deus; na arte para as massas, da consciência terrena das equipes de produção. Não somente os tipos das canções de sucesso, os astros, as novelas ressurgem ciclicamente como invariantes fixos, mas o conteúdo específico do espectáculo é ele próprio derivado deles e só varia na aparência. Os detalhes tornam-se fungíveis. A breve sequência de intervalos, fácil de memorizar, como mostrou a canção de sucesso; o fracasso temporário do herói, que ele sabe suportar como good sport que é; a boa palmada que a namorada recebe da mão forte do astro; sua rude reserva em face da herdeira mimada são, como todos os detalhes, clichés prontos para serem empregados arbitrariamente aqui e ali e completamente definidos pela finalidade que lhes cabe no esquema. Confirmá-lo, compondo-o, eis aí sua razão de ser. Desde o começo do filme já se sabe como ele termina, quem é recompensado, e, ao escutar a música ligeira, o ouvido treinado é perfeitamente capaz, desde os primeiros compassos, de adivinhar o desenvolvimento do tema e sente-se feliz quando ele tem lugar como previsto. O número médio de palavras da short story é algo em que não se pode mexer. Até mesmo as gags, efeitos e piadas são calculados, assim como o quadro em que se inserem. Sua produção é administrada por especialistas, e sua pequena diversidade permite reparti-las facilmente no escritório. A indústria cultural desenvolveu-se com o predomínio que o efeito, a performance tangível e o detalhe técnico alcançaram sobre a obra, que era outrora o veículo da Ideia e com essa foi liquidada. Emancipando-se, o detalhe tornara-se rebelde e, do romantismo ao expressionismo, afirmara-se como expressão indómita, como veículo do protesto contra a organização. [Max Horkheimer e Theodor Adorno (1985). Dialética do Esclarecimento. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, pp. 117-118]
Quando Adorno escreveu, conjuntamente com Horkheimer, o livro Dialética do Esclarecimento estava no exílio, fugido da Alemanha nazi. Em especial o capítulo sobre "A indústria cultural: o esclarecimento como mistificação das massas" marcou a sua filosofia, ponto de progresso que chegaria até Teoria Estética, texto editado postumamente em 1970. A Dialética é um livro pessimista, aporético.

Sharon Stone, a super-dotada actriz americana muito conhecida por um descruzar de pernas no filme Instinto Fatal (1992, com sequela em 2006), aparece num anúncio da Dior. No sítio da
Sack's, lê-se que "Capture Totale, o primeiro produto anti-idade baseado em uma profunda pesquisa tecnológica e sociológica. Capture Totale oferece resultados anti-idade extraordinários e conta com tecnologias de vanguarda em sua composição. Esta nova geração de cosméticos está aliada a um novíssimo conceito – uma geração de mulheres completamente satisfeitas e confortáveis com sua real idade. Assim como a estrela da campanha de Capture Totale, Sharon Stone, estas mulheres estão em busca da beleza serena e completa".

Certamente, Adorno não hesitaria em escrever sobre a actriz e a publicidade e sobre os "clichés prontos para serem empregados arbitrariamente aqui e ali e completamente definidos pela finalidade que lhes cabe no esquema". Já não há exílio ou histeria mas procura da beleza até ao fim da vida.
publicado por industrias-culturais às 18:38
link | comentar | favorito

ESCREVERIA ADORNO SOBRE SHARON STONE?

  • Para o consumidor, não há nada mais a classificar que não tenha sido antecipado no esquematismo da produção. A arte sem sonho destinada ao povo realiza aquele idealismo sonhador que ia longe demais para o idealismo crítico. Tudo vem da consciência, em Malebranche e Berkeley da consciência de Deus; na arte para as massas, da consciência terrena das equipes de produção. Não somente os tipos das canções de sucesso, os astros, as novelas ressurgem ciclicamente como invariantes fixos, mas o conteúdo específico do espectáculo é ele próprio derivado deles e só varia na aparência. Os detalhes tornam-se fungíveis. A breve sequência de intervalos, fácil de memorizar, como mostrou a canção de sucesso; o fracasso temporário do herói, que ele sabe suportar como good sport que é; a boa palmada que a namorada recebe da mão forte do astro; sua rude reserva em face da herdeira mimada são, como todos os detalhes, clichés prontos para serem empregados arbitrariamente aqui e ali e completamente definidos pela finalidade que lhes cabe no esquema. Confirmá-lo, compondo-o, eis aí sua razão de ser. Desde o começo do filme já se sabe como ele termina, quem é recompensado, e, ao escutar a música ligeira, o ouvido treinado é perfeitamente capaz, desde os primeiros compassos, de adivinhar o desenvolvimento do tema e sente-se feliz quando ele tem lugar como previsto. O número médio de palavras da short story é algo em que não se pode mexer. Até mesmo as gags, efeitos e piadas são calculados, assim como o quadro em que se inserem. Sua produção é administrada por especialistas, e sua pequena diversidade permite reparti-las facilmente no escritório. A indústria cultural desenvolveu-se com o predomínio que o efeito, a performance tangível e o detalhe técnico alcançaram sobre a obra, que era outrora o veículo da Ideia e com essa foi liquidada. Emancipando-se, o detalhe tornara-se rebelde e, do romantismo ao expressionismo, afirmara-se como expressão indómita, como veículo do protesto contra a organização. [Max Horkheimer e Theodor Adorno (1985). Dialética do Esclarecimento. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, pp. 117-118]
Quando Adorno escreveu, conjuntamente com Horkheimer, o livro Dialética do Esclarecimento estava no exílio, fugido da Alemanha nazi. Em especial o capítulo sobre "A indústria cultural: o esclarecimento como mistificação das massas" marcou a sua filosofia, ponto de progresso que chegaria até Teoria Estética, texto editado postumamente em 1970. A Dialética é um livro pessimista, aporético.

Sharon Stone, a super-dotada actriz americana muito conhecida por um descruzar de pernas no filme Instinto Fatal (1992, com sequela em 2006), aparece num anúncio da Dior. No sítio da
Sack's, lê-se que "Capture Totale, o primeiro produto anti-idade baseado em uma profunda pesquisa tecnológica e sociológica. Capture Totale oferece resultados anti-idade extraordinários e conta com tecnologias de vanguarda em sua composição. Esta nova geração de cosméticos está aliada a um novíssimo conceito – uma geração de mulheres completamente satisfeitas e confortáveis com sua real idade. Assim como a estrela da campanha de Capture Totale, Sharon Stone, estas mulheres estão em busca da beleza serena e completa".

Certamente, Adorno não hesitaria em escrever sobre a actriz e a publicidade e sobre os "clichés prontos para serem empregados arbitrariamente aqui e ali e completamente definidos pela finalidade que lhes cabe no esquema". Já não há exílio ou histeria mas procura da beleza até ao fim da vida.
publicado por industrias-culturais às 18:38
link | comentar | favorito

ESCREVERIA ADORNO SOBRE SHARON STONE?

  • Para o consumidor, não há nada mais a classificar que não tenha sido antecipado no esquematismo da produção. A arte sem sonho destinada ao povo realiza aquele idealismo sonhador que ia longe demais para o idealismo crítico. Tudo vem da consciência, em Malebranche e Berkeley da consciência de Deus; na arte para as massas, da consciência terrena das equipes de produção. Não somente os tipos das canções de sucesso, os astros, as novelas ressurgem ciclicamente como invariantes fixos, mas o conteúdo específico do espectáculo é ele próprio derivado deles e só varia na aparência. Os detalhes tornam-se fungíveis. A breve sequência de intervalos, fácil de memorizar, como mostrou a canção de sucesso; o fracasso temporário do herói, que ele sabe suportar como good sport que é; a boa palmada que a namorada recebe da mão forte do astro; sua rude reserva em face da herdeira mimada são, como todos os detalhes, clichés prontos para serem empregados arbitrariamente aqui e ali e completamente definidos pela finalidade que lhes cabe no esquema. Confirmá-lo, compondo-o, eis aí sua razão de ser. Desde o começo do filme já se sabe como ele termina, quem é recompensado, e, ao escutar a música ligeira, o ouvido treinado é perfeitamente capaz, desde os primeiros compassos, de adivinhar o desenvolvimento do tema e sente-se feliz quando ele tem lugar como previsto. O número médio de palavras da short story é algo em que não se pode mexer. Até mesmo as gags, efeitos e piadas são calculados, assim como o quadro em que se inserem. Sua produção é administrada por especialistas, e sua pequena diversidade permite reparti-las facilmente no escritório. A indústria cultural desenvolveu-se com o predomínio que o efeito, a performance tangível e o detalhe técnico alcançaram sobre a obra, que era outrora o veículo da Ideia e com essa foi liquidada. Emancipando-se, o detalhe tornara-se rebelde e, do romantismo ao expressionismo, afirmara-se como expressão indómita, como veículo do protesto contra a organização. [Max Horkheimer e Theodor Adorno (1985). Dialética do Esclarecimento. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, pp. 117-118]
Quando Adorno escreveu, conjuntamente com Horkheimer, o livro Dialética do Esclarecimento estava no exílio, fugido da Alemanha nazi. Em especial o capítulo sobre "A indústria cultural: o esclarecimento como mistificação das massas" marcou a sua filosofia, ponto de progresso que chegaria até Teoria Estética, texto editado postumamente em 1970. A Dialética é um livro pessimista, aporético.

Sharon Stone, a super-dotada actriz americana muito conhecida por um descruzar de pernas no filme Instinto Fatal (1992, com sequela em 2006), aparece num anúncio da Dior. No sítio da
Sack's, lê-se que "Capture Totale, o primeiro produto anti-idade baseado em uma profunda pesquisa tecnológica e sociológica. Capture Totale oferece resultados anti-idade extraordinários e conta com tecnologias de vanguarda em sua composição. Esta nova geração de cosméticos está aliada a um novíssimo conceito – uma geração de mulheres completamente satisfeitas e confortáveis com sua real idade. Assim como a estrela da campanha de Capture Totale, Sharon Stone, estas mulheres estão em busca da beleza serena e completa".

Certamente, Adorno não hesitaria em escrever sobre a actriz e a publicidade e sobre os "clichés prontos para serem empregados arbitrariamente aqui e ali e completamente definidos pela finalidade que lhes cabe no esquema". Já não há exílio ou histeria mas procura da beleza até ao fim da vida.
publicado por industrias-culturais às 18:38
link | comentar | favorito

ESCREVERIA ADORNO SOBRE SHARON STONE?

  • Para o consumidor, não há nada mais a classificar que não tenha sido antecipado no esquematismo da produção. A arte sem sonho destinada ao povo realiza aquele idealismo sonhador que ia longe demais para o idealismo crítico. Tudo vem da consciência, em Malebranche e Berkeley da consciência de Deus; na arte para as massas, da consciência terrena das equipes de produção. Não somente os tipos das canções de sucesso, os astros, as novelas ressurgem ciclicamente como invariantes fixos, mas o conteúdo específico do espectáculo é ele próprio derivado deles e só varia na aparência. Os detalhes tornam-se fungíveis. A breve sequência de intervalos, fácil de memorizar, como mostrou a canção de sucesso; o fracasso temporário do herói, que ele sabe suportar como good sport que é; a boa palmada que a namorada recebe da mão forte do astro; sua rude reserva em face da herdeira mimada são, como todos os detalhes, clichés prontos para serem empregados arbitrariamente aqui e ali e completamente definidos pela finalidade que lhes cabe no esquema. Confirmá-lo, compondo-o, eis aí sua razão de ser. Desde o começo do filme já se sabe como ele termina, quem é recompensado, e, ao escutar a música ligeira, o ouvido treinado é perfeitamente capaz, desde os primeiros compassos, de adivinhar o desenvolvimento do tema e sente-se feliz quando ele tem lugar como previsto. O número médio de palavras da short story é algo em que não se pode mexer. Até mesmo as gags, efeitos e piadas são calculados, assim como o quadro em que se inserem. Sua produção é administrada por especialistas, e sua pequena diversidade permite reparti-las facilmente no escritório. A indústria cultural desenvolveu-se com o predomínio que o efeito, a performance tangível e o detalhe técnico alcançaram sobre a obra, que era outrora o veículo da Ideia e com essa foi liquidada. Emancipando-se, o detalhe tornara-se rebelde e, do romantismo ao expressionismo, afirmara-se como expressão indómita, como veículo do protesto contra a organização. [Max Horkheimer e Theodor Adorno (1985). Dialética do Esclarecimento. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, pp. 117-118]
Quando Adorno escreveu, conjuntamente com Horkheimer, o livro Dialética do Esclarecimento estava no exílio, fugido da Alemanha nazi. Em especial o capítulo sobre "A indústria cultural: o esclarecimento como mistificação das massas" marcou a sua filosofia, ponto de progresso que chegaria até Teoria Estética, texto editado postumamente em 1970. A Dialética é um livro pessimista, aporético.

Sharon Stone, a super-dotada actriz americana muito conhecida por um descruzar de pernas no filme Instinto Fatal (1992, com sequela em 2006), aparece num anúncio da Dior. No sítio da
Sack's, lê-se que "Capture Totale, o primeiro produto anti-idade baseado em uma profunda pesquisa tecnológica e sociológica. Capture Totale oferece resultados anti-idade extraordinários e conta com tecnologias de vanguarda em sua composição. Esta nova geração de cosméticos está aliada a um novíssimo conceito – uma geração de mulheres completamente satisfeitas e confortáveis com sua real idade. Assim como a estrela da campanha de Capture Totale, Sharon Stone, estas mulheres estão em busca da beleza serena e completa".

Certamente, Adorno não hesitaria em escrever sobre a actriz e a publicidade e sobre os "clichés prontos para serem empregados arbitrariamente aqui e ali e completamente definidos pela finalidade que lhes cabe no esquema". Já não há exílio ou histeria mas procura da beleza até ao fim da vida.
publicado por industrias-culturais às 18:38
link | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

.Junho 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
13
27
28
29
30

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. SIM, THEODOR ADORNO PODER...

. SIM, THEODOR ADORNO PODER...

. SIM, THEODOR ADORNO PODER...

. SIM, THEODOR ADORNO PODER...

. SIM, THEODOR ADORNO PODER...

. ESCREVERIA ADORNO SOBRE S...

. ESCREVERIA ADORNO SOBRE S...

. ESCREVERIA ADORNO SOBRE S...

. ESCREVERIA ADORNO SOBRE S...

. ESCREVERIA ADORNO SOBRE S...

.arquivos

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

. Março 2004

. Fevereiro 2004

. Janeiro 2004

. Dezembro 2003

. Novembro 2003

. Outubro 2003

. Agosto 2003

. Abril 2003

. Março 2003

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds

Em destaque no SAPO Blogs
pub