Terça-feira, 30 de Dezembro de 2008

OS MEDIA SEGUNDO MICHELE HILMES (I)

Michele Hilmes, em A cultural history of broadcasting in the United States (2002), olha os media electrónicos ao longo do século XX, entrando já no novo milénio. Avalia a evolução de cada um deles (rádio, televisão, internet) década a década, comparando-os com as principais tendências sociais, empresariais, culturais e políticas.

Assim, seguindo a sua estrutura, dividi em 10 pequenos capítulos a evolução desde os amadores da rádio até à digitalização e internet. O primeiro abrange o período de 1919 a 1926, a data do começo da rádio. De acordo com Hilmes, foi o período em que a radiodifusão saiu das garagens e sótãos dos amadores e se tornou uma prática social americana. Apesar de questões sociais violentas (imigração, expansão urbana, desemprego), houve um aumento de riqueza na sociedade em geral e uma intensa experimentação cultural, como o jazz, e a que a rádio acrescentou a sua voz única. À medida que a rádio ganhava centralidade e importância social na vida das pessoas, também atraiu um debate sério.

O segundo capítulo decorre de 1926 a 1940, naquilo a que a autora chamou de redes comerciais na rádio. Os anos de 1920, após a guerra mundial, foram de expansão. Contudo, a grande depressão de 1929 trouxe uma quebra na construção civil e nas finanças e um grande reflexo no emprego. 28 de Outubro de 1929 foi a designada segunda-feira negra, com a bolsa de valores a cair 49 pontos, algo até aí inédito pela perda de dinheiro que acarretou e pelos prejuízos no mundo das empresas e do emprego. De modo interessante, a rádio foi uma das raras indústrias a escapar à Depressão (já o cinema, o teatro de revista e a imprensa foram afectados).

Na segunda guerra mundial, o uso da rádio foi intenso. A publicidade entraria na rádio, e esta seria palco de controlo empresarial e de domínio comercial. Longe de reflectir um processo natural e simples do desenvolvimento tecnológico, o audiovisual americano sairia de um grau elevado de indecisão e controvérsia na sua direcção. A indústria não foi uma actividade monolítica: apesar de a NBC e da CBS se tornarem rapidamente os dois principais interlocutores, exercendo um grande controlo oligopolista sobre a rádio, elas concorreram entre si e enfrentaram as forças poderosas da indústria publicitária. Há uma influência forte das agências de publicidade na produção de programas. Combinadas, as redes de rádio, as agências de publicidade e o público criaram a chamada idade de ouro da rádio americana.

O terceiro episódio recobre igualmente os anos de 1926 a 1940, apresentando outra faceta, a da rádio para toda a gente. No final da década de 1930, havia 80% dos lares americanos com receptores de rádio. Os rádios foram introduzidos nos automóveis em 1930. Em 1940, em cerca de 1/4 dos automóveis podiam sintonizar-se estações de rádio. O preço dos rádios baixou drasticamente, embora ainda representasse um investimento considerável no rendimento familiar. Para Michele Hilmes, a rádio tornava-se uma das formas mais híbridas do século XX, comparando, adaptando e criando, acções baseadas nas características e capacidades próprias da rádio.

Cada estação era uma mistura curiosa de entretenimento, levando o meio rádio a ser nos anos 1940 uma indústria lucrativa e um centro de vida. Agências de publicidade, redes e estações, com uma dose de actividade tirada a Hollywood em termos de novas formas de entretenimento, informação e expressão, criavam um novo mundo de estrelas e estilos de vida copiando a vida dessas estrelas. Assim, programas, géneros, estrelas e audiências de fãs emergiam. As redes de estações dividiriam os seus períodos em horários diurno e nocturno. O horário diurno tornou-se o espaço das mulheres, com a novela radiofónica. A crítica, vinda da esquerda e da direita, via a música como um meio que veiculava gostos de baixa cultura e muito permeável à publicidade.

Leitura: Michele Hilmes (2002). A cultural history of broadcasting in the United States. Belmont, CA: Wadsworth

[continua]
tags:
publicado por industrias-culturais às 09:36
link | comentar | favorito

OS MEDIA SEGUNDO MICHELE HILMES (I)

Michele Hilmes, em A cultural history of broadcasting in the United States (2002), olha os media electrónicos ao longo do século XX, entrando já no novo milénio. Avalia a evolução de cada um deles (rádio, televisão, internet) década a década, comparando-os com as principais tendências sociais, empresariais, culturais e políticas.

Assim, seguindo a sua estrutura, dividi em 10 pequenos capítulos a evolução desde os amadores da rádio até à digitalização e internet. O primeiro abrange o período de 1919 a 1926, a data do começo da rádio. De acordo com Hilmes, foi o período em que a radiodifusão saiu das garagens e sótãos dos amadores e se tornou uma prática social americana. Apesar de questões sociais violentas (imigração, expansão urbana, desemprego), houve um aumento de riqueza na sociedade em geral e uma intensa experimentação cultural, como o jazz, e a que a rádio acrescentou a sua voz única. À medida que a rádio ganhava centralidade e importância social na vida das pessoas, também atraiu um debate sério.

O segundo capítulo decorre de 1926 a 1940, naquilo a que a autora chamou de redes comerciais na rádio. Os anos de 1920, após a guerra mundial, foram de expansão. Contudo, a grande depressão de 1929 trouxe uma quebra na construção civil e nas finanças e um grande reflexo no emprego. 28 de Outubro de 1929 foi a designada segunda-feira negra, com a bolsa de valores a cair 49 pontos, algo até aí inédito pela perda de dinheiro que acarretou e pelos prejuízos no mundo das empresas e do emprego. De modo interessante, a rádio foi uma das raras indústrias a escapar à Depressão (já o cinema, o teatro de revista e a imprensa foram afectados).

Na segunda guerra mundial, o uso da rádio foi intenso. A publicidade entraria na rádio, e esta seria palco de controlo empresarial e de domínio comercial. Longe de reflectir um processo natural e simples do desenvolvimento tecnológico, o audiovisual americano sairia de um grau elevado de indecisão e controvérsia na sua direcção. A indústria não foi uma actividade monolítica: apesar de a NBC e da CBS se tornarem rapidamente os dois principais interlocutores, exercendo um grande controlo oligopolista sobre a rádio, elas concorreram entre si e enfrentaram as forças poderosas da indústria publicitária. Há uma influência forte das agências de publicidade na produção de programas. Combinadas, as redes de rádio, as agências de publicidade e o público criaram a chamada idade de ouro da rádio americana.

O terceiro episódio recobre igualmente os anos de 1926 a 1940, apresentando outra faceta, a da rádio para toda a gente. No final da década de 1930, havia 80% dos lares americanos com receptores de rádio. Os rádios foram introduzidos nos automóveis em 1930. Em 1940, em cerca de 1/4 dos automóveis podiam sintonizar-se estações de rádio. O preço dos rádios baixou drasticamente, embora ainda representasse um investimento considerável no rendimento familiar. Para Michele Hilmes, a rádio tornava-se uma das formas mais híbridas do século XX, comparando, adaptando e criando, acções baseadas nas características e capacidades próprias da rádio.

Cada estação era uma mistura curiosa de entretenimento, levando o meio rádio a ser nos anos 1940 uma indústria lucrativa e um centro de vida. Agências de publicidade, redes e estações, com uma dose de actividade tirada a Hollywood em termos de novas formas de entretenimento, informação e expressão, criavam um novo mundo de estrelas e estilos de vida copiando a vida dessas estrelas. Assim, programas, géneros, estrelas e audiências de fãs emergiam. As redes de estações dividiriam os seus períodos em horários diurno e nocturno. O horário diurno tornou-se o espaço das mulheres, com a novela radiofónica. A crítica, vinda da esquerda e da direita, via a música como um meio que veiculava gostos de baixa cultura e muito permeável à publicidade.

Leitura: Michele Hilmes (2002). A cultural history of broadcasting in the United States. Belmont, CA: Wadsworth

[continua]
tags:
publicado por industrias-culturais às 09:36
link | comentar | favorito

OS MEDIA SEGUNDO MICHELE HILMES (I)

Michele Hilmes, em A cultural history of broadcasting in the United States (2002), olha os media electrónicos ao longo do século XX, entrando já no novo milénio. Avalia a evolução de cada um deles (rádio, televisão, internet) década a década, comparando-os com as principais tendências sociais, empresariais, culturais e políticas.

Assim, seguindo a sua estrutura, dividi em 10 pequenos capítulos a evolução desde os amadores da rádio até à digitalização e internet. O primeiro abrange o período de 1919 a 1926, a data do começo da rádio. De acordo com Hilmes, foi o período em que a radiodifusão saiu das garagens e sótãos dos amadores e se tornou uma prática social americana. Apesar de questões sociais violentas (imigração, expansão urbana, desemprego), houve um aumento de riqueza na sociedade em geral e uma intensa experimentação cultural, como o jazz, e a que a rádio acrescentou a sua voz única. À medida que a rádio ganhava centralidade e importância social na vida das pessoas, também atraiu um debate sério.

O segundo capítulo decorre de 1926 a 1940, naquilo a que a autora chamou de redes comerciais na rádio. Os anos de 1920, após a guerra mundial, foram de expansão. Contudo, a grande depressão de 1929 trouxe uma quebra na construção civil e nas finanças e um grande reflexo no emprego. 28 de Outubro de 1929 foi a designada segunda-feira negra, com a bolsa de valores a cair 49 pontos, algo até aí inédito pela perda de dinheiro que acarretou e pelos prejuízos no mundo das empresas e do emprego. De modo interessante, a rádio foi uma das raras indústrias a escapar à Depressão (já o cinema, o teatro de revista e a imprensa foram afectados).

Na segunda guerra mundial, o uso da rádio foi intenso. A publicidade entraria na rádio, e esta seria palco de controlo empresarial e de domínio comercial. Longe de reflectir um processo natural e simples do desenvolvimento tecnológico, o audiovisual americano sairia de um grau elevado de indecisão e controvérsia na sua direcção. A indústria não foi uma actividade monolítica: apesar de a NBC e da CBS se tornarem rapidamente os dois principais interlocutores, exercendo um grande controlo oligopolista sobre a rádio, elas concorreram entre si e enfrentaram as forças poderosas da indústria publicitária. Há uma influência forte das agências de publicidade na produção de programas. Combinadas, as redes de rádio, as agências de publicidade e o público criaram a chamada idade de ouro da rádio americana.

O terceiro episódio recobre igualmente os anos de 1926 a 1940, apresentando outra faceta, a da rádio para toda a gente. No final da década de 1930, havia 80% dos lares americanos com receptores de rádio. Os rádios foram introduzidos nos automóveis em 1930. Em 1940, em cerca de 1/4 dos automóveis podiam sintonizar-se estações de rádio. O preço dos rádios baixou drasticamente, embora ainda representasse um investimento considerável no rendimento familiar. Para Michele Hilmes, a rádio tornava-se uma das formas mais híbridas do século XX, comparando, adaptando e criando, acções baseadas nas características e capacidades próprias da rádio.

Cada estação era uma mistura curiosa de entretenimento, levando o meio rádio a ser nos anos 1940 uma indústria lucrativa e um centro de vida. Agências de publicidade, redes e estações, com uma dose de actividade tirada a Hollywood em termos de novas formas de entretenimento, informação e expressão, criavam um novo mundo de estrelas e estilos de vida copiando a vida dessas estrelas. Assim, programas, géneros, estrelas e audiências de fãs emergiam. As redes de estações dividiriam os seus períodos em horários diurno e nocturno. O horário diurno tornou-se o espaço das mulheres, com a novela radiofónica. A crítica, vinda da esquerda e da direita, via a música como um meio que veiculava gostos de baixa cultura e muito permeável à publicidade.

Leitura: Michele Hilmes (2002). A cultural history of broadcasting in the United States. Belmont, CA: Wadsworth

[continua]
tags:
publicado por industrias-culturais às 09:36
link | comentar | favorito

OS MEDIA SEGUNDO MICHELE HILMES (I)

Michele Hilmes, em A cultural history of broadcasting in the United States (2002), olha os media electrónicos ao longo do século XX, entrando já no novo milénio. Avalia a evolução de cada um deles (rádio, televisão, internet) década a década, comparando-os com as principais tendências sociais, empresariais, culturais e políticas.

Assim, seguindo a sua estrutura, dividi em 10 pequenos capítulos a evolução desde os amadores da rádio até à digitalização e internet. O primeiro abrange o período de 1919 a 1926, a data do começo da rádio. De acordo com Hilmes, foi o período em que a radiodifusão saiu das garagens e sótãos dos amadores e se tornou uma prática social americana. Apesar de questões sociais violentas (imigração, expansão urbana, desemprego), houve um aumento de riqueza na sociedade em geral e uma intensa experimentação cultural, como o jazz, e a que a rádio acrescentou a sua voz única. À medida que a rádio ganhava centralidade e importância social na vida das pessoas, também atraiu um debate sério.

O segundo capítulo decorre de 1926 a 1940, naquilo a que a autora chamou de redes comerciais na rádio. Os anos de 1920, após a guerra mundial, foram de expansão. Contudo, a grande depressão de 1929 trouxe uma quebra na construção civil e nas finanças e um grande reflexo no emprego. 28 de Outubro de 1929 foi a designada segunda-feira negra, com a bolsa de valores a cair 49 pontos, algo até aí inédito pela perda de dinheiro que acarretou e pelos prejuízos no mundo das empresas e do emprego. De modo interessante, a rádio foi uma das raras indústrias a escapar à Depressão (já o cinema, o teatro de revista e a imprensa foram afectados).

Na segunda guerra mundial, o uso da rádio foi intenso. A publicidade entraria na rádio, e esta seria palco de controlo empresarial e de domínio comercial. Longe de reflectir um processo natural e simples do desenvolvimento tecnológico, o audiovisual americano sairia de um grau elevado de indecisão e controvérsia na sua direcção. A indústria não foi uma actividade monolítica: apesar de a NBC e da CBS se tornarem rapidamente os dois principais interlocutores, exercendo um grande controlo oligopolista sobre a rádio, elas concorreram entre si e enfrentaram as forças poderosas da indústria publicitária. Há uma influência forte das agências de publicidade na produção de programas. Combinadas, as redes de rádio, as agências de publicidade e o público criaram a chamada idade de ouro da rádio americana.

O terceiro episódio recobre igualmente os anos de 1926 a 1940, apresentando outra faceta, a da rádio para toda a gente. No final da década de 1930, havia 80% dos lares americanos com receptores de rádio. Os rádios foram introduzidos nos automóveis em 1930. Em 1940, em cerca de 1/4 dos automóveis podiam sintonizar-se estações de rádio. O preço dos rádios baixou drasticamente, embora ainda representasse um investimento considerável no rendimento familiar. Para Michele Hilmes, a rádio tornava-se uma das formas mais híbridas do século XX, comparando, adaptando e criando, acções baseadas nas características e capacidades próprias da rádio.

Cada estação era uma mistura curiosa de entretenimento, levando o meio rádio a ser nos anos 1940 uma indústria lucrativa e um centro de vida. Agências de publicidade, redes e estações, com uma dose de actividade tirada a Hollywood em termos de novas formas de entretenimento, informação e expressão, criavam um novo mundo de estrelas e estilos de vida copiando a vida dessas estrelas. Assim, programas, géneros, estrelas e audiências de fãs emergiam. As redes de estações dividiriam os seus períodos em horários diurno e nocturno. O horário diurno tornou-se o espaço das mulheres, com a novela radiofónica. A crítica, vinda da esquerda e da direita, via a música como um meio que veiculava gostos de baixa cultura e muito permeável à publicidade.

Leitura: Michele Hilmes (2002). A cultural history of broadcasting in the United States. Belmont, CA: Wadsworth

[continua]
tags:
publicado por industrias-culturais às 09:36
link | comentar | favorito

OS MEDIA SEGUNDO MICHELE HILMES (I)

Michele Hilmes, em A cultural history of broadcasting in the United States (2002), olha os media electrónicos ao longo do século XX, entrando já no novo milénio. Avalia a evolução de cada um deles (rádio, televisão, internet) década a década, comparando-os com as principais tendências sociais, empresariais, culturais e políticas.

Assim, seguindo a sua estrutura, dividi em 10 pequenos capítulos a evolução desde os amadores da rádio até à digitalização e internet. O primeiro abrange o período de 1919 a 1926, a data do começo da rádio. De acordo com Hilmes, foi o período em que a radiodifusão saiu das garagens e sótãos dos amadores e se tornou uma prática social americana. Apesar de questões sociais violentas (imigração, expansão urbana, desemprego), houve um aumento de riqueza na sociedade em geral e uma intensa experimentação cultural, como o jazz, e a que a rádio acrescentou a sua voz única. À medida que a rádio ganhava centralidade e importância social na vida das pessoas, também atraiu um debate sério.

O segundo capítulo decorre de 1926 a 1940, naquilo a que a autora chamou de redes comerciais na rádio. Os anos de 1920, após a guerra mundial, foram de expansão. Contudo, a grande depressão de 1929 trouxe uma quebra na construção civil e nas finanças e um grande reflexo no emprego. 28 de Outubro de 1929 foi a designada segunda-feira negra, com a bolsa de valores a cair 49 pontos, algo até aí inédito pela perda de dinheiro que acarretou e pelos prejuízos no mundo das empresas e do emprego. De modo interessante, a rádio foi uma das raras indústrias a escapar à Depressão (já o cinema, o teatro de revista e a imprensa foram afectados).

Na segunda guerra mundial, o uso da rádio foi intenso. A publicidade entraria na rádio, e esta seria palco de controlo empresarial e de domínio comercial. Longe de reflectir um processo natural e simples do desenvolvimento tecnológico, o audiovisual americano sairia de um grau elevado de indecisão e controvérsia na sua direcção. A indústria não foi uma actividade monolítica: apesar de a NBC e da CBS se tornarem rapidamente os dois principais interlocutores, exercendo um grande controlo oligopolista sobre a rádio, elas concorreram entre si e enfrentaram as forças poderosas da indústria publicitária. Há uma influência forte das agências de publicidade na produção de programas. Combinadas, as redes de rádio, as agências de publicidade e o público criaram a chamada idade de ouro da rádio americana.

O terceiro episódio recobre igualmente os anos de 1926 a 1940, apresentando outra faceta, a da rádio para toda a gente. No final da década de 1930, havia 80% dos lares americanos com receptores de rádio. Os rádios foram introduzidos nos automóveis em 1930. Em 1940, em cerca de 1/4 dos automóveis podiam sintonizar-se estações de rádio. O preço dos rádios baixou drasticamente, embora ainda representasse um investimento considerável no rendimento familiar. Para Michele Hilmes, a rádio tornava-se uma das formas mais híbridas do século XX, comparando, adaptando e criando, acções baseadas nas características e capacidades próprias da rádio.

Cada estação era uma mistura curiosa de entretenimento, levando o meio rádio a ser nos anos 1940 uma indústria lucrativa e um centro de vida. Agências de publicidade, redes e estações, com uma dose de actividade tirada a Hollywood em termos de novas formas de entretenimento, informação e expressão, criavam um novo mundo de estrelas e estilos de vida copiando a vida dessas estrelas. Assim, programas, géneros, estrelas e audiências de fãs emergiam. As redes de estações dividiriam os seus períodos em horários diurno e nocturno. O horário diurno tornou-se o espaço das mulheres, com a novela radiofónica. A crítica, vinda da esquerda e da direita, via a música como um meio que veiculava gostos de baixa cultura e muito permeável à publicidade.

Leitura: Michele Hilmes (2002). A cultural history of broadcasting in the United States. Belmont, CA: Wadsworth

[continua]
tags:
publicado por industrias-culturais às 09:36
link | comentar | favorito
Segunda-feira, 29 de Dezembro de 2008

CADEIRÃO VOLTAIRE

Já há muito que deveria ter escrito sobre o blogue Cadeirão Voltaire, de Sara Figueiredo Costa.


Como o definir? Um blogue sobre livros, literatura e tertúlias, como a mensagem de hoje denota: "É bem possível que os responsáveis pelos problemas financeiros da indústria do livro sejam os leitores vorazes que vendem e compram os livros que lêem a outras pessoas".

Também hoje, Sara Figueiredo Costa escreveu sobre Canetti: a "língua definiu a identidade do jovem Canetti de um modo mais inexorável do que qualquer facto real: os diferentes idiomas com que se confronta na família, a ânsia de aprender as letras e dar sentidos às frases, a fuga da Palavra (no sentido religioso), herança de gerações, a que acabará por ceder por não querer fugir da vastidão de mundos que procura nos textos, todos esses momentos justificam o título com precisão, configurando os passos essenciais da formação do autor".

A Europa central e no começo do século XX produziu, como Eric Hobsbawm escreveu (Tempos Interessantes. Uma vida no século XX, 2005), indivíduos cosmopolitas e nómadas nas línguas, nos sítios e nas estéticas, legando obras cuja fruição é um enorme prazer. Canetti, a ler intermediado pelo blogue Cadeirão Voltaire, é igualmente um prazer.
tags:
publicado por industrias-culturais às 18:20
link | comentar | favorito

CADEIRÃO VOLTAIRE

Já há muito que deveria ter escrito sobre o blogue Cadeirão Voltaire, de Sara Figueiredo Costa.


Como o definir? Um blogue sobre livros, literatura e tertúlias, como a mensagem de hoje denota: "É bem possível que os responsáveis pelos problemas financeiros da indústria do livro sejam os leitores vorazes que vendem e compram os livros que lêem a outras pessoas".

Também hoje, Sara Figueiredo Costa escreveu sobre Canetti: a "língua definiu a identidade do jovem Canetti de um modo mais inexorável do que qualquer facto real: os diferentes idiomas com que se confronta na família, a ânsia de aprender as letras e dar sentidos às frases, a fuga da Palavra (no sentido religioso), herança de gerações, a que acabará por ceder por não querer fugir da vastidão de mundos que procura nos textos, todos esses momentos justificam o título com precisão, configurando os passos essenciais da formação do autor".

A Europa central e no começo do século XX produziu, como Eric Hobsbawm escreveu (Tempos Interessantes. Uma vida no século XX, 2005), indivíduos cosmopolitas e nómadas nas línguas, nos sítios e nas estéticas, legando obras cuja fruição é um enorme prazer. Canetti, a ler intermediado pelo blogue Cadeirão Voltaire, é igualmente um prazer.
tags:
publicado por industrias-culturais às 18:20
link | comentar | favorito

CADEIRÃO VOLTAIRE

Já há muito que deveria ter escrito sobre o blogue Cadeirão Voltaire, de Sara Figueiredo Costa.


Como o definir? Um blogue sobre livros, literatura e tertúlias, como a mensagem de hoje denota: "É bem possível que os responsáveis pelos problemas financeiros da indústria do livro sejam os leitores vorazes que vendem e compram os livros que lêem a outras pessoas".

Também hoje, Sara Figueiredo Costa escreveu sobre Canetti: a "língua definiu a identidade do jovem Canetti de um modo mais inexorável do que qualquer facto real: os diferentes idiomas com que se confronta na família, a ânsia de aprender as letras e dar sentidos às frases, a fuga da Palavra (no sentido religioso), herança de gerações, a que acabará por ceder por não querer fugir da vastidão de mundos que procura nos textos, todos esses momentos justificam o título com precisão, configurando os passos essenciais da formação do autor".

A Europa central e no começo do século XX produziu, como Eric Hobsbawm escreveu (Tempos Interessantes. Uma vida no século XX, 2005), indivíduos cosmopolitas e nómadas nas línguas, nos sítios e nas estéticas, legando obras cuja fruição é um enorme prazer. Canetti, a ler intermediado pelo blogue Cadeirão Voltaire, é igualmente um prazer.
tags:
publicado por industrias-culturais às 18:20
link | comentar | favorito

CADEIRÃO VOLTAIRE

Já há muito que deveria ter escrito sobre o blogue Cadeirão Voltaire, de Sara Figueiredo Costa.


Como o definir? Um blogue sobre livros, literatura e tertúlias, como a mensagem de hoje denota: "É bem possível que os responsáveis pelos problemas financeiros da indústria do livro sejam os leitores vorazes que vendem e compram os livros que lêem a outras pessoas".

Também hoje, Sara Figueiredo Costa escreveu sobre Canetti: a "língua definiu a identidade do jovem Canetti de um modo mais inexorável do que qualquer facto real: os diferentes idiomas com que se confronta na família, a ânsia de aprender as letras e dar sentidos às frases, a fuga da Palavra (no sentido religioso), herança de gerações, a que acabará por ceder por não querer fugir da vastidão de mundos que procura nos textos, todos esses momentos justificam o título com precisão, configurando os passos essenciais da formação do autor".

A Europa central e no começo do século XX produziu, como Eric Hobsbawm escreveu (Tempos Interessantes. Uma vida no século XX, 2005), indivíduos cosmopolitas e nómadas nas línguas, nos sítios e nas estéticas, legando obras cuja fruição é um enorme prazer. Canetti, a ler intermediado pelo blogue Cadeirão Voltaire, é igualmente um prazer.
tags:
publicado por industrias-culturais às 18:20
link | comentar | favorito

CADEIRÃO VOLTAIRE

Já há muito que deveria ter escrito sobre o blogue Cadeirão Voltaire, de Sara Figueiredo Costa.


Como o definir? Um blogue sobre livros, literatura e tertúlias, como a mensagem de hoje denota: "É bem possível que os responsáveis pelos problemas financeiros da indústria do livro sejam os leitores vorazes que vendem e compram os livros que lêem a outras pessoas".

Também hoje, Sara Figueiredo Costa escreveu sobre Canetti: a "língua definiu a identidade do jovem Canetti de um modo mais inexorável do que qualquer facto real: os diferentes idiomas com que se confronta na família, a ânsia de aprender as letras e dar sentidos às frases, a fuga da Palavra (no sentido religioso), herança de gerações, a que acabará por ceder por não querer fugir da vastidão de mundos que procura nos textos, todos esses momentos justificam o título com precisão, configurando os passos essenciais da formação do autor".

A Europa central e no começo do século XX produziu, como Eric Hobsbawm escreveu (Tempos Interessantes. Uma vida no século XX, 2005), indivíduos cosmopolitas e nómadas nas línguas, nos sítios e nas estéticas, legando obras cuja fruição é um enorme prazer. Canetti, a ler intermediado pelo blogue Cadeirão Voltaire, é igualmente um prazer.
tags:
publicado por industrias-culturais às 18:20
link | comentar | favorito

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 1 seguidor

.pesquisar

.Junho 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
13
27
28
29
30

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Transportes públicos japo...

. Televisão japonesa

. Templos em Tóquio

. Novos diretores de jornai...

. Santuário Fushimi Inari T...

. Templo do Pavilhão Dourad...

. Kiyomizu-dera (leste de Q...

. Castelo Nijo (Quioto)

. Quioto à hora do jantar

. Introdução ao teatro Bunr...

.arquivos

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

. Março 2004

. Fevereiro 2004

. Janeiro 2004

. Dezembro 2003

. Novembro 2003

. Outubro 2003

. Agosto 2003

. Abril 2003

. Março 2003

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds

Em destaque no SAPO Blogs
pub