Quarta-feira, 31 de Dezembro de 2008

DESEJO UM BOM ANO NOVO

Cheio de felicidade e saúde.

id="BLOGGER_PHOTO_ID_5285274780269633682" />
publicado por industrias-culturais às 17:59
link | comentar | ver comentários (1) | favorito

DESEJO UM BOM ANO NOVO

Cheio de felicidade e saúde.

id="BLOGGER_PHOTO_ID_5285274780269633682" />
publicado por industrias-culturais às 17:59
link | comentar | ver comentários (1) | favorito

DESEJO UM BOM ANO NOVO

Cheio de felicidade e saúde.

id="BLOGGER_PHOTO_ID_5285274780269633682" />
publicado por industrias-culturais às 17:59
link | comentar | ver comentários (1) | favorito

DESEJO UM BOM ANO NOVO

Cheio de felicidade e saúde.

id="BLOGGER_PHOTO_ID_5285274780269633682" />
publicado por industrias-culturais às 17:59
link | comentar | ver comentários (1) | favorito

DESEJO UM BOM ANO NOVO

Cheio de felicidade e saúde.

id="BLOGGER_PHOTO_ID_5285274780269633682" />
publicado por industrias-culturais às 17:59
link | comentar | ver comentários (1) | favorito

OS MEDIA SEGUNDO MICHELE HILMES (II)

[continuação da mensagem de ontem]

O quarto capítulo decorre de 1940 a 1945, no que Michele Hilmes chamou de guerra em casa e no estrangeiro. Na realidade, a rádio tomara parte no conflito da segunda guerra mundial – em termos do medo dado pelo elevado uso da propaganda na nova tecnologia e em termos do seu potencial para apoiar, informar e unir o público americano em tempos difíceis. A rádio cimentou o papel cooperativo.

Muito do interesse face à rádio envolveu ideias sobre audiência. A pergunta foi: podia a rádio criar um público de massa susceptível e facilmente manipulável? Ou a rádio tinha um poder racional para informar decisões a um grupo de indivíduos em termos de informação e opinião?

Em tempos de guerra, a rádio definiu as oportunidades de defender o que se entendia por correcto e marginalizar os grupos opressores e os aspectos de desigualdade e antidemocracia da vida americana. Pela primeira vez, surgiram programas sobre o racismo, o que conduziu ao posterior movimento dos direitos civis. Outros programas recrutaram mulheres americanas que definiram uma nova esfera de serviço público e trabalho remunerado.

Era o tempo do aparecimento e novidade da televisão. Esta queria preencher as promessas da rádio, entretanto abandonadas – a luz que brilha no centro do lar, a utopia da igualdade e do conhecimento. Os amadores da televisão, longe de serem os indivíduos inventivos das garagens e dos sótãos, eram engenheiros e cientistas nos laboratórios da RCA, CBS e General Electrics.

O quinto capítulo, de 1945 a 1955, seria o da exploração da televisão. Do ponto de vista político, o presidente Roosevelt, que levou os americanos a ultrapassarem a Depressão e a segunda guerra mundial, morreu um mês antes do conflito terminar. Foi o vice-presidente Truman e outros aliados que assinaram o tratado. Os custos haviam sido elevados: entre 35 e 50 milhões de pessoas tinham morrido, a maior parte das cidades europeias estava em ruínas, as indústrias e os sistemas de transportes tinham sido destruídos. Por seu lado, formava-se a União Soviética, começando a Guerra Fria.

A televisão desempenhou um papel de ligação nas salas e quartos dos lares americanos. Desde o começo dominada pelas forças da grande indústria, nunca se duvidou que a televisão desenvolveria as linhas de um sistema comercial, controlado por redes e pela publicidade. A televisão prometia uma nação normalizada e com bons indicadores de vida. Consolidou-se uma atmosfera de regulação, com a atribuição de licenças. Os programas de televisão imitavam muitos dos formatos da rádio. Esta ficava pobre, por um lado, mas livre para desenvolver novos géneros, por outro. Caso das práticas de minorias étnicas, como os negros, visível nos anos subsequentes, com a explosão de novos ritmos e estéticas: música negra e rock’n’roll. O DJ emerge como o motor dessa transformação.

Na televisão, foram lançadas dezenas de carreiras e estrelas, a idade de ouro do meio. Concertos, westerns, comédias de situação (sitcom) prosperaram. Em especial a sitcom desenvolvida muito por estrelas femininas vindas da rádio trouxe a voz das mulheres ao prime time da televisão. As notícias experimentavam e adaptavam-se às necessidades visuais da televisão.

Mas nem tudo foram rosas. Os receios dos efeitos nas crianças alargaram-se nas duas décadas seguintes, com os dirigentes do audiovisual a serem responsabilizados pelo interesse público, uma retórica que se alargou até hoje. Isto numa altura de forte concorrência tecnológica como a da televisão hertziana e a televisão paga (cabo, satélite). O sistema clássico, de pouca oferta de programas, foi ameaçado pela oferta multicanal. A televisão, apesar de tudo, tomava o centro do lar americano.

O sexto episódio, no decurso de 1955 a 1965, foi designado por Hilmes por o meio domesticado. O período de finais da década de 1950 e começo da década seguinte é lembrado como um período de tranquilidade, domesticidade e normalidade. Contudo, para a televisão foi um tempo turbulento e formativo. Também uma onda de corrupção chegou ao conhecimento da FCC, o que levou a uma nova era de regulação.

Nascia o sistema estável da televisão, com as redes clássicas americanas que durariam 20 anos e produziam o que se chama agora de programas de exportação mundial. Os anos de 1950 representam um período de constituição de famílias suburbanas com poder de compra mais elevado e marcadas pelo liberalismo empresarial, pelo aparecimento dos adolescentes como segmento demográfico e pela era da televisão para toda a família, que se alargou na década de 1960. Ora, o que achamos dos anos de 1960 – movimentos juvenis, disrupção social, programação social mais relevante – só acontece nos finais dessa década.

Os anos de 1955 a 1965 são marcados pela investigação e debate da regulação, e escândalos na programação radiofónica e na indústria dos concursos, e por um período de consolidação e estandardização nas estruturas e programas da televisão, parte e parcela de uma forte mudança social. A televisão era, agora, a arena central da vida privada e pública, alargando-se o debate sobre o seu papel social. O assassinato do presidente Kennedy (22 de Novembro de 1963) foi seguido na televisão e na memória ficaram as lágrimas do apresentador Walter Conkrite a narrar o triste acontecimento.

[continua]
tags:
publicado por industrias-culturais às 09:37
link | comentar | favorito

OS MEDIA SEGUNDO MICHELE HILMES (II)

[continuação da mensagem de ontem]

O quarto capítulo decorre de 1940 a 1945, no que Michele Hilmes chamou de guerra em casa e no estrangeiro. Na realidade, a rádio tomara parte no conflito da segunda guerra mundial – em termos do medo dado pelo elevado uso da propaganda na nova tecnologia e em termos do seu potencial para apoiar, informar e unir o público americano em tempos difíceis. A rádio cimentou o papel cooperativo.

Muito do interesse face à rádio envolveu ideias sobre audiência. A pergunta foi: podia a rádio criar um público de massa susceptível e facilmente manipulável? Ou a rádio tinha um poder racional para informar decisões a um grupo de indivíduos em termos de informação e opinião?

Em tempos de guerra, a rádio definiu as oportunidades de defender o que se entendia por correcto e marginalizar os grupos opressores e os aspectos de desigualdade e antidemocracia da vida americana. Pela primeira vez, surgiram programas sobre o racismo, o que conduziu ao posterior movimento dos direitos civis. Outros programas recrutaram mulheres americanas que definiram uma nova esfera de serviço público e trabalho remunerado.

Era o tempo do aparecimento e novidade da televisão. Esta queria preencher as promessas da rádio, entretanto abandonadas – a luz que brilha no centro do lar, a utopia da igualdade e do conhecimento. Os amadores da televisão, longe de serem os indivíduos inventivos das garagens e dos sótãos, eram engenheiros e cientistas nos laboratórios da RCA, CBS e General Electrics.

O quinto capítulo, de 1945 a 1955, seria o da exploração da televisão. Do ponto de vista político, o presidente Roosevelt, que levou os americanos a ultrapassarem a Depressão e a segunda guerra mundial, morreu um mês antes do conflito terminar. Foi o vice-presidente Truman e outros aliados que assinaram o tratado. Os custos haviam sido elevados: entre 35 e 50 milhões de pessoas tinham morrido, a maior parte das cidades europeias estava em ruínas, as indústrias e os sistemas de transportes tinham sido destruídos. Por seu lado, formava-se a União Soviética, começando a Guerra Fria.

A televisão desempenhou um papel de ligação nas salas e quartos dos lares americanos. Desde o começo dominada pelas forças da grande indústria, nunca se duvidou que a televisão desenvolveria as linhas de um sistema comercial, controlado por redes e pela publicidade. A televisão prometia uma nação normalizada e com bons indicadores de vida. Consolidou-se uma atmosfera de regulação, com a atribuição de licenças. Os programas de televisão imitavam muitos dos formatos da rádio. Esta ficava pobre, por um lado, mas livre para desenvolver novos géneros, por outro. Caso das práticas de minorias étnicas, como os negros, visível nos anos subsequentes, com a explosão de novos ritmos e estéticas: música negra e rock’n’roll. O DJ emerge como o motor dessa transformação.

Na televisão, foram lançadas dezenas de carreiras e estrelas, a idade de ouro do meio. Concertos, westerns, comédias de situação (sitcom) prosperaram. Em especial a sitcom desenvolvida muito por estrelas femininas vindas da rádio trouxe a voz das mulheres ao prime time da televisão. As notícias experimentavam e adaptavam-se às necessidades visuais da televisão.

Mas nem tudo foram rosas. Os receios dos efeitos nas crianças alargaram-se nas duas décadas seguintes, com os dirigentes do audiovisual a serem responsabilizados pelo interesse público, uma retórica que se alargou até hoje. Isto numa altura de forte concorrência tecnológica como a da televisão hertziana e a televisão paga (cabo, satélite). O sistema clássico, de pouca oferta de programas, foi ameaçado pela oferta multicanal. A televisão, apesar de tudo, tomava o centro do lar americano.

O sexto episódio, no decurso de 1955 a 1965, foi designado por Hilmes por o meio domesticado. O período de finais da década de 1950 e começo da década seguinte é lembrado como um período de tranquilidade, domesticidade e normalidade. Contudo, para a televisão foi um tempo turbulento e formativo. Também uma onda de corrupção chegou ao conhecimento da FCC, o que levou a uma nova era de regulação.

Nascia o sistema estável da televisão, com as redes clássicas americanas que durariam 20 anos e produziam o que se chama agora de programas de exportação mundial. Os anos de 1950 representam um período de constituição de famílias suburbanas com poder de compra mais elevado e marcadas pelo liberalismo empresarial, pelo aparecimento dos adolescentes como segmento demográfico e pela era da televisão para toda a família, que se alargou na década de 1960. Ora, o que achamos dos anos de 1960 – movimentos juvenis, disrupção social, programação social mais relevante – só acontece nos finais dessa década.

Os anos de 1955 a 1965 são marcados pela investigação e debate da regulação, e escândalos na programação radiofónica e na indústria dos concursos, e por um período de consolidação e estandardização nas estruturas e programas da televisão, parte e parcela de uma forte mudança social. A televisão era, agora, a arena central da vida privada e pública, alargando-se o debate sobre o seu papel social. O assassinato do presidente Kennedy (22 de Novembro de 1963) foi seguido na televisão e na memória ficaram as lágrimas do apresentador Walter Conkrite a narrar o triste acontecimento.

[continua]
tags:
publicado por industrias-culturais às 09:37
link | comentar | favorito

OS MEDIA SEGUNDO MICHELE HILMES (II)

[continuação da mensagem de ontem]

O quarto capítulo decorre de 1940 a 1945, no que Michele Hilmes chamou de guerra em casa e no estrangeiro. Na realidade, a rádio tomara parte no conflito da segunda guerra mundial – em termos do medo dado pelo elevado uso da propaganda na nova tecnologia e em termos do seu potencial para apoiar, informar e unir o público americano em tempos difíceis. A rádio cimentou o papel cooperativo.

Muito do interesse face à rádio envolveu ideias sobre audiência. A pergunta foi: podia a rádio criar um público de massa susceptível e facilmente manipulável? Ou a rádio tinha um poder racional para informar decisões a um grupo de indivíduos em termos de informação e opinião?

Em tempos de guerra, a rádio definiu as oportunidades de defender o que se entendia por correcto e marginalizar os grupos opressores e os aspectos de desigualdade e antidemocracia da vida americana. Pela primeira vez, surgiram programas sobre o racismo, o que conduziu ao posterior movimento dos direitos civis. Outros programas recrutaram mulheres americanas que definiram uma nova esfera de serviço público e trabalho remunerado.

Era o tempo do aparecimento e novidade da televisão. Esta queria preencher as promessas da rádio, entretanto abandonadas – a luz que brilha no centro do lar, a utopia da igualdade e do conhecimento. Os amadores da televisão, longe de serem os indivíduos inventivos das garagens e dos sótãos, eram engenheiros e cientistas nos laboratórios da RCA, CBS e General Electrics.

O quinto capítulo, de 1945 a 1955, seria o da exploração da televisão. Do ponto de vista político, o presidente Roosevelt, que levou os americanos a ultrapassarem a Depressão e a segunda guerra mundial, morreu um mês antes do conflito terminar. Foi o vice-presidente Truman e outros aliados que assinaram o tratado. Os custos haviam sido elevados: entre 35 e 50 milhões de pessoas tinham morrido, a maior parte das cidades europeias estava em ruínas, as indústrias e os sistemas de transportes tinham sido destruídos. Por seu lado, formava-se a União Soviética, começando a Guerra Fria.

A televisão desempenhou um papel de ligação nas salas e quartos dos lares americanos. Desde o começo dominada pelas forças da grande indústria, nunca se duvidou que a televisão desenvolveria as linhas de um sistema comercial, controlado por redes e pela publicidade. A televisão prometia uma nação normalizada e com bons indicadores de vida. Consolidou-se uma atmosfera de regulação, com a atribuição de licenças. Os programas de televisão imitavam muitos dos formatos da rádio. Esta ficava pobre, por um lado, mas livre para desenvolver novos géneros, por outro. Caso das práticas de minorias étnicas, como os negros, visível nos anos subsequentes, com a explosão de novos ritmos e estéticas: música negra e rock’n’roll. O DJ emerge como o motor dessa transformação.

Na televisão, foram lançadas dezenas de carreiras e estrelas, a idade de ouro do meio. Concertos, westerns, comédias de situação (sitcom) prosperaram. Em especial a sitcom desenvolvida muito por estrelas femininas vindas da rádio trouxe a voz das mulheres ao prime time da televisão. As notícias experimentavam e adaptavam-se às necessidades visuais da televisão.

Mas nem tudo foram rosas. Os receios dos efeitos nas crianças alargaram-se nas duas décadas seguintes, com os dirigentes do audiovisual a serem responsabilizados pelo interesse público, uma retórica que se alargou até hoje. Isto numa altura de forte concorrência tecnológica como a da televisão hertziana e a televisão paga (cabo, satélite). O sistema clássico, de pouca oferta de programas, foi ameaçado pela oferta multicanal. A televisão, apesar de tudo, tomava o centro do lar americano.

O sexto episódio, no decurso de 1955 a 1965, foi designado por Hilmes por o meio domesticado. O período de finais da década de 1950 e começo da década seguinte é lembrado como um período de tranquilidade, domesticidade e normalidade. Contudo, para a televisão foi um tempo turbulento e formativo. Também uma onda de corrupção chegou ao conhecimento da FCC, o que levou a uma nova era de regulação.

Nascia o sistema estável da televisão, com as redes clássicas americanas que durariam 20 anos e produziam o que se chama agora de programas de exportação mundial. Os anos de 1950 representam um período de constituição de famílias suburbanas com poder de compra mais elevado e marcadas pelo liberalismo empresarial, pelo aparecimento dos adolescentes como segmento demográfico e pela era da televisão para toda a família, que se alargou na década de 1960. Ora, o que achamos dos anos de 1960 – movimentos juvenis, disrupção social, programação social mais relevante – só acontece nos finais dessa década.

Os anos de 1955 a 1965 são marcados pela investigação e debate da regulação, e escândalos na programação radiofónica e na indústria dos concursos, e por um período de consolidação e estandardização nas estruturas e programas da televisão, parte e parcela de uma forte mudança social. A televisão era, agora, a arena central da vida privada e pública, alargando-se o debate sobre o seu papel social. O assassinato do presidente Kennedy (22 de Novembro de 1963) foi seguido na televisão e na memória ficaram as lágrimas do apresentador Walter Conkrite a narrar o triste acontecimento.

[continua]
tags:
publicado por industrias-culturais às 09:37
link | comentar | favorito

OS MEDIA SEGUNDO MICHELE HILMES (II)

[continuação da mensagem de ontem]

O quarto capítulo decorre de 1940 a 1945, no que Michele Hilmes chamou de guerra em casa e no estrangeiro. Na realidade, a rádio tomara parte no conflito da segunda guerra mundial – em termos do medo dado pelo elevado uso da propaganda na nova tecnologia e em termos do seu potencial para apoiar, informar e unir o público americano em tempos difíceis. A rádio cimentou o papel cooperativo.

Muito do interesse face à rádio envolveu ideias sobre audiência. A pergunta foi: podia a rádio criar um público de massa susceptível e facilmente manipulável? Ou a rádio tinha um poder racional para informar decisões a um grupo de indivíduos em termos de informação e opinião?

Em tempos de guerra, a rádio definiu as oportunidades de defender o que se entendia por correcto e marginalizar os grupos opressores e os aspectos de desigualdade e antidemocracia da vida americana. Pela primeira vez, surgiram programas sobre o racismo, o que conduziu ao posterior movimento dos direitos civis. Outros programas recrutaram mulheres americanas que definiram uma nova esfera de serviço público e trabalho remunerado.

Era o tempo do aparecimento e novidade da televisão. Esta queria preencher as promessas da rádio, entretanto abandonadas – a luz que brilha no centro do lar, a utopia da igualdade e do conhecimento. Os amadores da televisão, longe de serem os indivíduos inventivos das garagens e dos sótãos, eram engenheiros e cientistas nos laboratórios da RCA, CBS e General Electrics.

O quinto capítulo, de 1945 a 1955, seria o da exploração da televisão. Do ponto de vista político, o presidente Roosevelt, que levou os americanos a ultrapassarem a Depressão e a segunda guerra mundial, morreu um mês antes do conflito terminar. Foi o vice-presidente Truman e outros aliados que assinaram o tratado. Os custos haviam sido elevados: entre 35 e 50 milhões de pessoas tinham morrido, a maior parte das cidades europeias estava em ruínas, as indústrias e os sistemas de transportes tinham sido destruídos. Por seu lado, formava-se a União Soviética, começando a Guerra Fria.

A televisão desempenhou um papel de ligação nas salas e quartos dos lares americanos. Desde o começo dominada pelas forças da grande indústria, nunca se duvidou que a televisão desenvolveria as linhas de um sistema comercial, controlado por redes e pela publicidade. A televisão prometia uma nação normalizada e com bons indicadores de vida. Consolidou-se uma atmosfera de regulação, com a atribuição de licenças. Os programas de televisão imitavam muitos dos formatos da rádio. Esta ficava pobre, por um lado, mas livre para desenvolver novos géneros, por outro. Caso das práticas de minorias étnicas, como os negros, visível nos anos subsequentes, com a explosão de novos ritmos e estéticas: música negra e rock’n’roll. O DJ emerge como o motor dessa transformação.

Na televisão, foram lançadas dezenas de carreiras e estrelas, a idade de ouro do meio. Concertos, westerns, comédias de situação (sitcom) prosperaram. Em especial a sitcom desenvolvida muito por estrelas femininas vindas da rádio trouxe a voz das mulheres ao prime time da televisão. As notícias experimentavam e adaptavam-se às necessidades visuais da televisão.

Mas nem tudo foram rosas. Os receios dos efeitos nas crianças alargaram-se nas duas décadas seguintes, com os dirigentes do audiovisual a serem responsabilizados pelo interesse público, uma retórica que se alargou até hoje. Isto numa altura de forte concorrência tecnológica como a da televisão hertziana e a televisão paga (cabo, satélite). O sistema clássico, de pouca oferta de programas, foi ameaçado pela oferta multicanal. A televisão, apesar de tudo, tomava o centro do lar americano.

O sexto episódio, no decurso de 1955 a 1965, foi designado por Hilmes por o meio domesticado. O período de finais da década de 1950 e começo da década seguinte é lembrado como um período de tranquilidade, domesticidade e normalidade. Contudo, para a televisão foi um tempo turbulento e formativo. Também uma onda de corrupção chegou ao conhecimento da FCC, o que levou a uma nova era de regulação.

Nascia o sistema estável da televisão, com as redes clássicas americanas que durariam 20 anos e produziam o que se chama agora de programas de exportação mundial. Os anos de 1950 representam um período de constituição de famílias suburbanas com poder de compra mais elevado e marcadas pelo liberalismo empresarial, pelo aparecimento dos adolescentes como segmento demográfico e pela era da televisão para toda a família, que se alargou na década de 1960. Ora, o que achamos dos anos de 1960 – movimentos juvenis, disrupção social, programação social mais relevante – só acontece nos finais dessa década.

Os anos de 1955 a 1965 são marcados pela investigação e debate da regulação, e escândalos na programação radiofónica e na indústria dos concursos, e por um período de consolidação e estandardização nas estruturas e programas da televisão, parte e parcela de uma forte mudança social. A televisão era, agora, a arena central da vida privada e pública, alargando-se o debate sobre o seu papel social. O assassinato do presidente Kennedy (22 de Novembro de 1963) foi seguido na televisão e na memória ficaram as lágrimas do apresentador Walter Conkrite a narrar o triste acontecimento.

[continua]
tags:
publicado por industrias-culturais às 09:37
link | comentar | favorito

OS MEDIA SEGUNDO MICHELE HILMES (II)

[continuação da mensagem de ontem]

O quarto capítulo decorre de 1940 a 1945, no que Michele Hilmes chamou de guerra em casa e no estrangeiro. Na realidade, a rádio tomara parte no conflito da segunda guerra mundial – em termos do medo dado pelo elevado uso da propaganda na nova tecnologia e em termos do seu potencial para apoiar, informar e unir o público americano em tempos difíceis. A rádio cimentou o papel cooperativo.

Muito do interesse face à rádio envolveu ideias sobre audiência. A pergunta foi: podia a rádio criar um público de massa susceptível e facilmente manipulável? Ou a rádio tinha um poder racional para informar decisões a um grupo de indivíduos em termos de informação e opinião?

Em tempos de guerra, a rádio definiu as oportunidades de defender o que se entendia por correcto e marginalizar os grupos opressores e os aspectos de desigualdade e antidemocracia da vida americana. Pela primeira vez, surgiram programas sobre o racismo, o que conduziu ao posterior movimento dos direitos civis. Outros programas recrutaram mulheres americanas que definiram uma nova esfera de serviço público e trabalho remunerado.

Era o tempo do aparecimento e novidade da televisão. Esta queria preencher as promessas da rádio, entretanto abandonadas – a luz que brilha no centro do lar, a utopia da igualdade e do conhecimento. Os amadores da televisão, longe de serem os indivíduos inventivos das garagens e dos sótãos, eram engenheiros e cientistas nos laboratórios da RCA, CBS e General Electrics.

O quinto capítulo, de 1945 a 1955, seria o da exploração da televisão. Do ponto de vista político, o presidente Roosevelt, que levou os americanos a ultrapassarem a Depressão e a segunda guerra mundial, morreu um mês antes do conflito terminar. Foi o vice-presidente Truman e outros aliados que assinaram o tratado. Os custos haviam sido elevados: entre 35 e 50 milhões de pessoas tinham morrido, a maior parte das cidades europeias estava em ruínas, as indústrias e os sistemas de transportes tinham sido destruídos. Por seu lado, formava-se a União Soviética, começando a Guerra Fria.

A televisão desempenhou um papel de ligação nas salas e quartos dos lares americanos. Desde o começo dominada pelas forças da grande indústria, nunca se duvidou que a televisão desenvolveria as linhas de um sistema comercial, controlado por redes e pela publicidade. A televisão prometia uma nação normalizada e com bons indicadores de vida. Consolidou-se uma atmosfera de regulação, com a atribuição de licenças. Os programas de televisão imitavam muitos dos formatos da rádio. Esta ficava pobre, por um lado, mas livre para desenvolver novos géneros, por outro. Caso das práticas de minorias étnicas, como os negros, visível nos anos subsequentes, com a explosão de novos ritmos e estéticas: música negra e rock’n’roll. O DJ emerge como o motor dessa transformação.

Na televisão, foram lançadas dezenas de carreiras e estrelas, a idade de ouro do meio. Concertos, westerns, comédias de situação (sitcom) prosperaram. Em especial a sitcom desenvolvida muito por estrelas femininas vindas da rádio trouxe a voz das mulheres ao prime time da televisão. As notícias experimentavam e adaptavam-se às necessidades visuais da televisão.

Mas nem tudo foram rosas. Os receios dos efeitos nas crianças alargaram-se nas duas décadas seguintes, com os dirigentes do audiovisual a serem responsabilizados pelo interesse público, uma retórica que se alargou até hoje. Isto numa altura de forte concorrência tecnológica como a da televisão hertziana e a televisão paga (cabo, satélite). O sistema clássico, de pouca oferta de programas, foi ameaçado pela oferta multicanal. A televisão, apesar de tudo, tomava o centro do lar americano.

O sexto episódio, no decurso de 1955 a 1965, foi designado por Hilmes por o meio domesticado. O período de finais da década de 1950 e começo da década seguinte é lembrado como um período de tranquilidade, domesticidade e normalidade. Contudo, para a televisão foi um tempo turbulento e formativo. Também uma onda de corrupção chegou ao conhecimento da FCC, o que levou a uma nova era de regulação.

Nascia o sistema estável da televisão, com as redes clássicas americanas que durariam 20 anos e produziam o que se chama agora de programas de exportação mundial. Os anos de 1950 representam um período de constituição de famílias suburbanas com poder de compra mais elevado e marcadas pelo liberalismo empresarial, pelo aparecimento dos adolescentes como segmento demográfico e pela era da televisão para toda a família, que se alargou na década de 1960. Ora, o que achamos dos anos de 1960 – movimentos juvenis, disrupção social, programação social mais relevante – só acontece nos finais dessa década.

Os anos de 1955 a 1965 são marcados pela investigação e debate da regulação, e escândalos na programação radiofónica e na indústria dos concursos, e por um período de consolidação e estandardização nas estruturas e programas da televisão, parte e parcela de uma forte mudança social. A televisão era, agora, a arena central da vida privada e pública, alargando-se o debate sobre o seu papel social. O assassinato do presidente Kennedy (22 de Novembro de 1963) foi seguido na televisão e na memória ficaram as lágrimas do apresentador Walter Conkrite a narrar o triste acontecimento.

[continua]
tags:
publicado por industrias-culturais às 09:37
link | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

.Junho 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
13
27
28
29
30

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Transportes públicos japo...

. Televisão japonesa

. Templos em Tóquio

. Novos diretores de jornai...

. Santuário Fushimi Inari T...

. Templo do Pavilhão Dourad...

. Kiyomizu-dera (leste de Q...

. Castelo Nijo (Quioto)

. Quioto à hora do jantar

. Introdução ao teatro Bunr...

.arquivos

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

. Março 2004

. Fevereiro 2004

. Janeiro 2004

. Dezembro 2003

. Novembro 2003

. Outubro 2003

. Agosto 2003

. Abril 2003

. Março 2003

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds

Em destaque no SAPO Blogs
pub