Sábado, 29 de Setembro de 2007

ECONOMIA DA CULTURA

  • a produção cultural alterou-se, tal como a natureza da cultura e o papel do Estado. Os antigos meios de gerir a cultura já não se aplicam; precisamos de novos. [...] A política tem de ir para além do instrumentalismo, ou dos simples subsídios, é necessária uma abordagem política inteligente e matizada (Andy C. Pratt, "O estado da economia cultural: o crescimento da economia e os desafios da definição de uma política cultural", In Homi K. Bhabha et al. (2007) A urgência da teoria. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, p. 215).
A imprensa de hoje traz duas peças que contribuem para a discussão da economia da cultura. Uma resulta da conversa da ministra da Cultura, Isabel Pires de Lima, com jornalistas do Expresso (Nuno Saraiva, Cândida Pinto e Luciana Leiderfarb). A peça ocupa uma página inteira, mas a grande ironia como o texto foi construido deixa uma imagem não muito agradável da ministra. Sobre os "casos" Paolo Pinamonti e Dalila Rodrigues, afastados respectivamente do Teatro Nacional de São Carlos e do Museu Nacional de Arte Antiga, o artigo dá conta da irritação da ministra. O mesmo quando ela encara a hipótese de saída de Mega Ferreira, se este se não entender com Joe Berardo, e do custo do pólo lisboeta do Museu Hermitage de São Petersburgo. O colar de contas de vidro que trazia partiu-se, depois de tanto o apertar. Com uma auto-avaliação muito positiva da sua acção como ministra, ela quer ainda concretizar, nomeadamente, a construção da segunda torre da Biblioteca Nacional, a abertura do Museu Mar da Língua e o lançamento do Museu de Etnologia do Porto. Neste espaço, já mostrei a minha tristeza e indignação pela saída do Museu de Arte Popular e sua transformação num museu de ecrãs. Mas também a minha estranheza pelo lançamento do Museu de Etnologia do Porto. Lembro que escrevi o seguinte a 27 de Novembro de 2006:

  • Primeiro, num ano de rigor financeiro, a promessa de tantos projectos novos é possivelmente exagerada - ou há processos que vêm de trás e, logo, existe continuidade de investimento. Ainda dentro deste primeiro ponto, confesso que fiquei perplexo ao ler que ia haver um novo museu no Palácio de São Novo no Porto. Ele já existe há dezenas de anos, pois o frequentei amiudes vezes quando era adolescente. O que aconteceu foi o seu fecho devido a problemas de segurança (humidade, entre outras coisas).
O segundo texto foi o de José Pacheco Pereira sobre cultura europeia, a propósito da reunião em Lisboa do Fórum Cultural para a Europa. Diz ele que a definição da política da UE para a cultura resulta num modelo muito dependente do Estado, com peso significativo de redes de casas de cultura, animadores, agentes, produtores, artistas, e com uma versão liofilizada politicamente. O articulista entende que estas ideias correspondem ao modelo (francês) Malraux-Lang e não a um mais eficaz e independente modelo anglo-saxónico (falha: não indicou nomes actuantes como no outro modelo). Muito lúcido, como na grande parte da sua produção intelectual, creio que este artigo de Pacheco Pereira é injusto para com a economia da cultura, pelo menos quando se lê a literatura recente sobre a matéria. No texto, apontam-se a França e a Espanha (e também a Bélgica e Portugal) como países intervencionistas, mas não se refere ao conceito de excepção cultural (que comentei em 27 de Agosto de 2004) nem dá qualquer relevância ao modelo menos intervencionista, que será o seu modelo.

Os textos (ou as questões) acima referidos(as) perdem espessura quando os comparo com a conferência de Andy C. Pratt, dada na Gulbenkian em
27 de Maio de 2007 e agora editada no livro A urgência da teoria. Pratt, que associa economia e cultura, entende que esta relação se alterou, pelo que o domínio da política pública tem de mudar. O autor escreve sobre indústrias culturais e criativas, talvez o texto mais importante sobre a matéria este ano publicado. Se tradicionalmente a cultura esteve na agenda dos Estados, regida por um conjunto de regulamentos, Pratt aponta as mudanças presentes em três vertentes: cultura, criação da cultura e governância da cultura, com um enfoque nas actividades de produção, distribuição e consumo. Ele distingue as artes das outras actividades económicas. Por exemplo, "o desempenho de um quarteto de cordas não pode alcançar ganhos em termos de eficiência com a poupança de tempo ou de trabalho; o custo da mão-de-obra, contudo, aumenta" (p. 197). A isto chama a Doença de Baumol: ao longo dos anos, o quarteto de cordas precisa do mesmo tempo para ensaiar e tocar uma peça; não há qualquer melhoria de eficiência que altere esse tempo, pois não se pode introduzir uma outra rotina ou máquina que viabilize uma execução mais rápida. O que torna tal actividade menos económica e necessite de subsídio. O refazer as indústria culturais significa compreender que elas são: 1) dominadas por grandes empresas multinacionais, com a dependência de pequeníssimas ou micro-empresas, 2) com processos de trabalho em permanente alteração, o que conduz a reciclagem e evolução e a um formato económico baseado no projecto e na equipa existente para fazer esse projecto e desaparecer após a sua conclusão, e 3) cuja rotatividade (novidade, moda) implica incerteza sobre o sucesso desses produtos de circulação curta em termos de tempo. Importância do design, da cultura e das linguagens da arte, necessidade de preparação de indivíduos que dialoguem entre o Estado e a cultura (criação de um terceiro sector de organizações) e compreensão da inevitável e desejável mudança do quadro laboral de trabalhadores precários ou freelancers - são alguns temas que Andy C. Pratt se propõe continuar a investigar.

Com este texto, verifica-se quão distantes estão os pensamentos de Isabel Pires de Lima e José Pacheco Pereira, ambos com preocupações de Estado, mesmo que digam o contrário. O olhar a cultura e a sua economia apenas em termos dos grandes projectos (posição da ministra) ou do grande irmão que é a política cultural do conjunto de Estados da UE (posição do historiador e antigo deputado europeu) precisa de discussão.
tags:
publicado por industrias-culturais às 19:27
link | comentar | favorito

ECONOMIA DA CULTURA

  • a produção cultural alterou-se, tal como a natureza da cultura e o papel do Estado. Os antigos meios de gerir a cultura já não se aplicam; precisamos de novos. [...] A política tem de ir para além do instrumentalismo, ou dos simples subsídios, é necessária uma abordagem política inteligente e matizada (Andy C. Pratt, "O estado da economia cultural: o crescimento da economia e os desafios da definição de uma política cultural", In Homi K. Bhabha et al. (2007) A urgência da teoria. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, p. 215).
A imprensa de hoje traz duas peças que contribuem para a discussão da economia da cultura. Uma resulta da conversa da ministra da Cultura, Isabel Pires de Lima, com jornalistas do Expresso (Nuno Saraiva, Cândida Pinto e Luciana Leiderfarb). A peça ocupa uma página inteira, mas a grande ironia como o texto foi construido deixa uma imagem não muito agradável da ministra. Sobre os "casos" Paolo Pinamonti e Dalila Rodrigues, afastados respectivamente do Teatro Nacional de São Carlos e do Museu Nacional de Arte Antiga, o artigo dá conta da irritação da ministra. O mesmo quando ela encara a hipótese de saída de Mega Ferreira, se este se não entender com Joe Berardo, e do custo do pólo lisboeta do Museu Hermitage de São Petersburgo. O colar de contas de vidro que trazia partiu-se, depois de tanto o apertar. Com uma auto-avaliação muito positiva da sua acção como ministra, ela quer ainda concretizar, nomeadamente, a construção da segunda torre da Biblioteca Nacional, a abertura do Museu Mar da Língua e o lançamento do Museu de Etnologia do Porto. Neste espaço, já mostrei a minha tristeza e indignação pela saída do Museu de Arte Popular e sua transformação num museu de ecrãs. Mas também a minha estranheza pelo lançamento do Museu de Etnologia do Porto. Lembro que escrevi o seguinte a 27 de Novembro de 2006:

  • Primeiro, num ano de rigor financeiro, a promessa de tantos projectos novos é possivelmente exagerada - ou há processos que vêm de trás e, logo, existe continuidade de investimento. Ainda dentro deste primeiro ponto, confesso que fiquei perplexo ao ler que ia haver um novo museu no Palácio de São Novo no Porto. Ele já existe há dezenas de anos, pois o frequentei amiudes vezes quando era adolescente. O que aconteceu foi o seu fecho devido a problemas de segurança (humidade, entre outras coisas).
O segundo texto foi o de José Pacheco Pereira sobre cultura europeia, a propósito da reunião em Lisboa do Fórum Cultural para a Europa. Diz ele que a definição da política da UE para a cultura resulta num modelo muito dependente do Estado, com peso significativo de redes de casas de cultura, animadores, agentes, produtores, artistas, e com uma versão liofilizada politicamente. O articulista entende que estas ideias correspondem ao modelo (francês) Malraux-Lang e não a um mais eficaz e independente modelo anglo-saxónico (falha: não indicou nomes actuantes como no outro modelo). Muito lúcido, como na grande parte da sua produção intelectual, creio que este artigo de Pacheco Pereira é injusto para com a economia da cultura, pelo menos quando se lê a literatura recente sobre a matéria. No texto, apontam-se a França e a Espanha (e também a Bélgica e Portugal) como países intervencionistas, mas não se refere ao conceito de excepção cultural (que comentei em 27 de Agosto de 2004) nem dá qualquer relevância ao modelo menos intervencionista, que será o seu modelo.

Os textos (ou as questões) acima referidos(as) perdem espessura quando os comparo com a conferência de Andy C. Pratt, dada na Gulbenkian em
27 de Maio de 2007 e agora editada no livro A urgência da teoria. Pratt, que associa economia e cultura, entende que esta relação se alterou, pelo que o domínio da política pública tem de mudar. O autor escreve sobre indústrias culturais e criativas, talvez o texto mais importante sobre a matéria este ano publicado. Se tradicionalmente a cultura esteve na agenda dos Estados, regida por um conjunto de regulamentos, Pratt aponta as mudanças presentes em três vertentes: cultura, criação da cultura e governância da cultura, com um enfoque nas actividades de produção, distribuição e consumo. Ele distingue as artes das outras actividades económicas. Por exemplo, "o desempenho de um quarteto de cordas não pode alcançar ganhos em termos de eficiência com a poupança de tempo ou de trabalho; o custo da mão-de-obra, contudo, aumenta" (p. 197). A isto chama a Doença de Baumol: ao longo dos anos, o quarteto de cordas precisa do mesmo tempo para ensaiar e tocar uma peça; não há qualquer melhoria de eficiência que altere esse tempo, pois não se pode introduzir uma outra rotina ou máquina que viabilize uma execução mais rápida. O que torna tal actividade menos económica e necessite de subsídio. O refazer as indústria culturais significa compreender que elas são: 1) dominadas por grandes empresas multinacionais, com a dependência de pequeníssimas ou micro-empresas, 2) com processos de trabalho em permanente alteração, o que conduz a reciclagem e evolução e a um formato económico baseado no projecto e na equipa existente para fazer esse projecto e desaparecer após a sua conclusão, e 3) cuja rotatividade (novidade, moda) implica incerteza sobre o sucesso desses produtos de circulação curta em termos de tempo. Importância do design, da cultura e das linguagens da arte, necessidade de preparação de indivíduos que dialoguem entre o Estado e a cultura (criação de um terceiro sector de organizações) e compreensão da inevitável e desejável mudança do quadro laboral de trabalhadores precários ou freelancers - são alguns temas que Andy C. Pratt se propõe continuar a investigar.

Com este texto, verifica-se quão distantes estão os pensamentos de Isabel Pires de Lima e José Pacheco Pereira, ambos com preocupações de Estado, mesmo que digam o contrário. O olhar a cultura e a sua economia apenas em termos dos grandes projectos (posição da ministra) ou do grande irmão que é a política cultural do conjunto de Estados da UE (posição do historiador e antigo deputado europeu) precisa de discussão.
tags:
publicado por industrias-culturais às 19:27
link | comentar | favorito

ECONOMIA DA CULTURA

  • a produção cultural alterou-se, tal como a natureza da cultura e o papel do Estado. Os antigos meios de gerir a cultura já não se aplicam; precisamos de novos. [...] A política tem de ir para além do instrumentalismo, ou dos simples subsídios, é necessária uma abordagem política inteligente e matizada (Andy C. Pratt, "O estado da economia cultural: o crescimento da economia e os desafios da definição de uma política cultural", In Homi K. Bhabha et al. (2007) A urgência da teoria. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, p. 215).
A imprensa de hoje traz duas peças que contribuem para a discussão da economia da cultura. Uma resulta da conversa da ministra da Cultura, Isabel Pires de Lima, com jornalistas do Expresso (Nuno Saraiva, Cândida Pinto e Luciana Leiderfarb). A peça ocupa uma página inteira, mas a grande ironia como o texto foi construido deixa uma imagem não muito agradável da ministra. Sobre os "casos" Paolo Pinamonti e Dalila Rodrigues, afastados respectivamente do Teatro Nacional de São Carlos e do Museu Nacional de Arte Antiga, o artigo dá conta da irritação da ministra. O mesmo quando ela encara a hipótese de saída de Mega Ferreira, se este se não entender com Joe Berardo, e do custo do pólo lisboeta do Museu Hermitage de São Petersburgo. O colar de contas de vidro que trazia partiu-se, depois de tanto o apertar. Com uma auto-avaliação muito positiva da sua acção como ministra, ela quer ainda concretizar, nomeadamente, a construção da segunda torre da Biblioteca Nacional, a abertura do Museu Mar da Língua e o lançamento do Museu de Etnologia do Porto. Neste espaço, já mostrei a minha tristeza e indignação pela saída do Museu de Arte Popular e sua transformação num museu de ecrãs. Mas também a minha estranheza pelo lançamento do Museu de Etnologia do Porto. Lembro que escrevi o seguinte a 27 de Novembro de 2006:

  • Primeiro, num ano de rigor financeiro, a promessa de tantos projectos novos é possivelmente exagerada - ou há processos que vêm de trás e, logo, existe continuidade de investimento. Ainda dentro deste primeiro ponto, confesso que fiquei perplexo ao ler que ia haver um novo museu no Palácio de São Novo no Porto. Ele já existe há dezenas de anos, pois o frequentei amiudes vezes quando era adolescente. O que aconteceu foi o seu fecho devido a problemas de segurança (humidade, entre outras coisas).
O segundo texto foi o de José Pacheco Pereira sobre cultura europeia, a propósito da reunião em Lisboa do Fórum Cultural para a Europa. Diz ele que a definição da política da UE para a cultura resulta num modelo muito dependente do Estado, com peso significativo de redes de casas de cultura, animadores, agentes, produtores, artistas, e com uma versão liofilizada politicamente. O articulista entende que estas ideias correspondem ao modelo (francês) Malraux-Lang e não a um mais eficaz e independente modelo anglo-saxónico (falha: não indicou nomes actuantes como no outro modelo). Muito lúcido, como na grande parte da sua produção intelectual, creio que este artigo de Pacheco Pereira é injusto para com a economia da cultura, pelo menos quando se lê a literatura recente sobre a matéria. No texto, apontam-se a França e a Espanha (e também a Bélgica e Portugal) como países intervencionistas, mas não se refere ao conceito de excepção cultural (que comentei em 27 de Agosto de 2004) nem dá qualquer relevância ao modelo menos intervencionista, que será o seu modelo.

Os textos (ou as questões) acima referidos(as) perdem espessura quando os comparo com a conferência de Andy C. Pratt, dada na Gulbenkian em
27 de Maio de 2007 e agora editada no livro A urgência da teoria. Pratt, que associa economia e cultura, entende que esta relação se alterou, pelo que o domínio da política pública tem de mudar. O autor escreve sobre indústrias culturais e criativas, talvez o texto mais importante sobre a matéria este ano publicado. Se tradicionalmente a cultura esteve na agenda dos Estados, regida por um conjunto de regulamentos, Pratt aponta as mudanças presentes em três vertentes: cultura, criação da cultura e governância da cultura, com um enfoque nas actividades de produção, distribuição e consumo. Ele distingue as artes das outras actividades económicas. Por exemplo, "o desempenho de um quarteto de cordas não pode alcançar ganhos em termos de eficiência com a poupança de tempo ou de trabalho; o custo da mão-de-obra, contudo, aumenta" (p. 197). A isto chama a Doença de Baumol: ao longo dos anos, o quarteto de cordas precisa do mesmo tempo para ensaiar e tocar uma peça; não há qualquer melhoria de eficiência que altere esse tempo, pois não se pode introduzir uma outra rotina ou máquina que viabilize uma execução mais rápida. O que torna tal actividade menos económica e necessite de subsídio. O refazer as indústria culturais significa compreender que elas são: 1) dominadas por grandes empresas multinacionais, com a dependência de pequeníssimas ou micro-empresas, 2) com processos de trabalho em permanente alteração, o que conduz a reciclagem e evolução e a um formato económico baseado no projecto e na equipa existente para fazer esse projecto e desaparecer após a sua conclusão, e 3) cuja rotatividade (novidade, moda) implica incerteza sobre o sucesso desses produtos de circulação curta em termos de tempo. Importância do design, da cultura e das linguagens da arte, necessidade de preparação de indivíduos que dialoguem entre o Estado e a cultura (criação de um terceiro sector de organizações) e compreensão da inevitável e desejável mudança do quadro laboral de trabalhadores precários ou freelancers - são alguns temas que Andy C. Pratt se propõe continuar a investigar.

Com este texto, verifica-se quão distantes estão os pensamentos de Isabel Pires de Lima e José Pacheco Pereira, ambos com preocupações de Estado, mesmo que digam o contrário. O olhar a cultura e a sua economia apenas em termos dos grandes projectos (posição da ministra) ou do grande irmão que é a política cultural do conjunto de Estados da UE (posição do historiador e antigo deputado europeu) precisa de discussão.
tags:
publicado por industrias-culturais às 19:27
link | comentar | favorito

ECONOMIA DA CULTURA

  • a produção cultural alterou-se, tal como a natureza da cultura e o papel do Estado. Os antigos meios de gerir a cultura já não se aplicam; precisamos de novos. [...] A política tem de ir para além do instrumentalismo, ou dos simples subsídios, é necessária uma abordagem política inteligente e matizada (Andy C. Pratt, "O estado da economia cultural: o crescimento da economia e os desafios da definição de uma política cultural", In Homi K. Bhabha et al. (2007) A urgência da teoria. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, p. 215).
A imprensa de hoje traz duas peças que contribuem para a discussão da economia da cultura. Uma resulta da conversa da ministra da Cultura, Isabel Pires de Lima, com jornalistas do Expresso (Nuno Saraiva, Cândida Pinto e Luciana Leiderfarb). A peça ocupa uma página inteira, mas a grande ironia como o texto foi construido deixa uma imagem não muito agradável da ministra. Sobre os "casos" Paolo Pinamonti e Dalila Rodrigues, afastados respectivamente do Teatro Nacional de São Carlos e do Museu Nacional de Arte Antiga, o artigo dá conta da irritação da ministra. O mesmo quando ela encara a hipótese de saída de Mega Ferreira, se este se não entender com Joe Berardo, e do custo do pólo lisboeta do Museu Hermitage de São Petersburgo. O colar de contas de vidro que trazia partiu-se, depois de tanto o apertar. Com uma auto-avaliação muito positiva da sua acção como ministra, ela quer ainda concretizar, nomeadamente, a construção da segunda torre da Biblioteca Nacional, a abertura do Museu Mar da Língua e o lançamento do Museu de Etnologia do Porto. Neste espaço, já mostrei a minha tristeza e indignação pela saída do Museu de Arte Popular e sua transformação num museu de ecrãs. Mas também a minha estranheza pelo lançamento do Museu de Etnologia do Porto. Lembro que escrevi o seguinte a 27 de Novembro de 2006:

  • Primeiro, num ano de rigor financeiro, a promessa de tantos projectos novos é possivelmente exagerada - ou há processos que vêm de trás e, logo, existe continuidade de investimento. Ainda dentro deste primeiro ponto, confesso que fiquei perplexo ao ler que ia haver um novo museu no Palácio de São Novo no Porto. Ele já existe há dezenas de anos, pois o frequentei amiudes vezes quando era adolescente. O que aconteceu foi o seu fecho devido a problemas de segurança (humidade, entre outras coisas).
O segundo texto foi o de José Pacheco Pereira sobre cultura europeia, a propósito da reunião em Lisboa do Fórum Cultural para a Europa. Diz ele que a definição da política da UE para a cultura resulta num modelo muito dependente do Estado, com peso significativo de redes de casas de cultura, animadores, agentes, produtores, artistas, e com uma versão liofilizada politicamente. O articulista entende que estas ideias correspondem ao modelo (francês) Malraux-Lang e não a um mais eficaz e independente modelo anglo-saxónico (falha: não indicou nomes actuantes como no outro modelo). Muito lúcido, como na grande parte da sua produção intelectual, creio que este artigo de Pacheco Pereira é injusto para com a economia da cultura, pelo menos quando se lê a literatura recente sobre a matéria. No texto, apontam-se a França e a Espanha (e também a Bélgica e Portugal) como países intervencionistas, mas não se refere ao conceito de excepção cultural (que comentei em 27 de Agosto de 2004) nem dá qualquer relevância ao modelo menos intervencionista, que será o seu modelo.

Os textos (ou as questões) acima referidos(as) perdem espessura quando os comparo com a conferência de Andy C. Pratt, dada na Gulbenkian em
27 de Maio de 2007 e agora editada no livro A urgência da teoria. Pratt, que associa economia e cultura, entende que esta relação se alterou, pelo que o domínio da política pública tem de mudar. O autor escreve sobre indústrias culturais e criativas, talvez o texto mais importante sobre a matéria este ano publicado. Se tradicionalmente a cultura esteve na agenda dos Estados, regida por um conjunto de regulamentos, Pratt aponta as mudanças presentes em três vertentes: cultura, criação da cultura e governância da cultura, com um enfoque nas actividades de produção, distribuição e consumo. Ele distingue as artes das outras actividades económicas. Por exemplo, "o desempenho de um quarteto de cordas não pode alcançar ganhos em termos de eficiência com a poupança de tempo ou de trabalho; o custo da mão-de-obra, contudo, aumenta" (p. 197). A isto chama a Doença de Baumol: ao longo dos anos, o quarteto de cordas precisa do mesmo tempo para ensaiar e tocar uma peça; não há qualquer melhoria de eficiência que altere esse tempo, pois não se pode introduzir uma outra rotina ou máquina que viabilize uma execução mais rápida. O que torna tal actividade menos económica e necessite de subsídio. O refazer as indústria culturais significa compreender que elas são: 1) dominadas por grandes empresas multinacionais, com a dependência de pequeníssimas ou micro-empresas, 2) com processos de trabalho em permanente alteração, o que conduz a reciclagem e evolução e a um formato económico baseado no projecto e na equipa existente para fazer esse projecto e desaparecer após a sua conclusão, e 3) cuja rotatividade (novidade, moda) implica incerteza sobre o sucesso desses produtos de circulação curta em termos de tempo. Importância do design, da cultura e das linguagens da arte, necessidade de preparação de indivíduos que dialoguem entre o Estado e a cultura (criação de um terceiro sector de organizações) e compreensão da inevitável e desejável mudança do quadro laboral de trabalhadores precários ou freelancers - são alguns temas que Andy C. Pratt se propõe continuar a investigar.

Com este texto, verifica-se quão distantes estão os pensamentos de Isabel Pires de Lima e José Pacheco Pereira, ambos com preocupações de Estado, mesmo que digam o contrário. O olhar a cultura e a sua economia apenas em termos dos grandes projectos (posição da ministra) ou do grande irmão que é a política cultural do conjunto de Estados da UE (posição do historiador e antigo deputado europeu) precisa de discussão.
tags:
publicado por industrias-culturais às 19:27
link | comentar | favorito

ECONOMIA DA CULTURA

  • a produção cultural alterou-se, tal como a natureza da cultura e o papel do Estado. Os antigos meios de gerir a cultura já não se aplicam; precisamos de novos. [...] A política tem de ir para além do instrumentalismo, ou dos simples subsídios, é necessária uma abordagem política inteligente e matizada (Andy C. Pratt, "O estado da economia cultural: o crescimento da economia e os desafios da definição de uma política cultural", In Homi K. Bhabha et al. (2007) A urgência da teoria. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, p. 215).
A imprensa de hoje traz duas peças que contribuem para a discussão da economia da cultura. Uma resulta da conversa da ministra da Cultura, Isabel Pires de Lima, com jornalistas do Expresso (Nuno Saraiva, Cândida Pinto e Luciana Leiderfarb). A peça ocupa uma página inteira, mas a grande ironia como o texto foi construido deixa uma imagem não muito agradável da ministra. Sobre os "casos" Paolo Pinamonti e Dalila Rodrigues, afastados respectivamente do Teatro Nacional de São Carlos e do Museu Nacional de Arte Antiga, o artigo dá conta da irritação da ministra. O mesmo quando ela encara a hipótese de saída de Mega Ferreira, se este se não entender com Joe Berardo, e do custo do pólo lisboeta do Museu Hermitage de São Petersburgo. O colar de contas de vidro que trazia partiu-se, depois de tanto o apertar. Com uma auto-avaliação muito positiva da sua acção como ministra, ela quer ainda concretizar, nomeadamente, a construção da segunda torre da Biblioteca Nacional, a abertura do Museu Mar da Língua e o lançamento do Museu de Etnologia do Porto. Neste espaço, já mostrei a minha tristeza e indignação pela saída do Museu de Arte Popular e sua transformação num museu de ecrãs. Mas também a minha estranheza pelo lançamento do Museu de Etnologia do Porto. Lembro que escrevi o seguinte a 27 de Novembro de 2006:

  • Primeiro, num ano de rigor financeiro, a promessa de tantos projectos novos é possivelmente exagerada - ou há processos que vêm de trás e, logo, existe continuidade de investimento. Ainda dentro deste primeiro ponto, confesso que fiquei perplexo ao ler que ia haver um novo museu no Palácio de São Novo no Porto. Ele já existe há dezenas de anos, pois o frequentei amiudes vezes quando era adolescente. O que aconteceu foi o seu fecho devido a problemas de segurança (humidade, entre outras coisas).
O segundo texto foi o de José Pacheco Pereira sobre cultura europeia, a propósito da reunião em Lisboa do Fórum Cultural para a Europa. Diz ele que a definição da política da UE para a cultura resulta num modelo muito dependente do Estado, com peso significativo de redes de casas de cultura, animadores, agentes, produtores, artistas, e com uma versão liofilizada politicamente. O articulista entende que estas ideias correspondem ao modelo (francês) Malraux-Lang e não a um mais eficaz e independente modelo anglo-saxónico (falha: não indicou nomes actuantes como no outro modelo). Muito lúcido, como na grande parte da sua produção intelectual, creio que este artigo de Pacheco Pereira é injusto para com a economia da cultura, pelo menos quando se lê a literatura recente sobre a matéria. No texto, apontam-se a França e a Espanha (e também a Bélgica e Portugal) como países intervencionistas, mas não se refere ao conceito de excepção cultural (que comentei em 27 de Agosto de 2004) nem dá qualquer relevância ao modelo menos intervencionista, que será o seu modelo.

Os textos (ou as questões) acima referidos(as) perdem espessura quando os comparo com a conferência de Andy C. Pratt, dada na Gulbenkian em
27 de Maio de 2007 e agora editada no livro A urgência da teoria. Pratt, que associa economia e cultura, entende que esta relação se alterou, pelo que o domínio da política pública tem de mudar. O autor escreve sobre indústrias culturais e criativas, talvez o texto mais importante sobre a matéria este ano publicado. Se tradicionalmente a cultura esteve na agenda dos Estados, regida por um conjunto de regulamentos, Pratt aponta as mudanças presentes em três vertentes: cultura, criação da cultura e governância da cultura, com um enfoque nas actividades de produção, distribuição e consumo. Ele distingue as artes das outras actividades económicas. Por exemplo, "o desempenho de um quarteto de cordas não pode alcançar ganhos em termos de eficiência com a poupança de tempo ou de trabalho; o custo da mão-de-obra, contudo, aumenta" (p. 197). A isto chama a Doença de Baumol: ao longo dos anos, o quarteto de cordas precisa do mesmo tempo para ensaiar e tocar uma peça; não há qualquer melhoria de eficiência que altere esse tempo, pois não se pode introduzir uma outra rotina ou máquina que viabilize uma execução mais rápida. O que torna tal actividade menos económica e necessite de subsídio. O refazer as indústria culturais significa compreender que elas são: 1) dominadas por grandes empresas multinacionais, com a dependência de pequeníssimas ou micro-empresas, 2) com processos de trabalho em permanente alteração, o que conduz a reciclagem e evolução e a um formato económico baseado no projecto e na equipa existente para fazer esse projecto e desaparecer após a sua conclusão, e 3) cuja rotatividade (novidade, moda) implica incerteza sobre o sucesso desses produtos de circulação curta em termos de tempo. Importância do design, da cultura e das linguagens da arte, necessidade de preparação de indivíduos que dialoguem entre o Estado e a cultura (criação de um terceiro sector de organizações) e compreensão da inevitável e desejável mudança do quadro laboral de trabalhadores precários ou freelancers - são alguns temas que Andy C. Pratt se propõe continuar a investigar.

Com este texto, verifica-se quão distantes estão os pensamentos de Isabel Pires de Lima e José Pacheco Pereira, ambos com preocupações de Estado, mesmo que digam o contrário. O olhar a cultura e a sua economia apenas em termos dos grandes projectos (posição da ministra) ou do grande irmão que é a política cultural do conjunto de Estados da UE (posição do historiador e antigo deputado europeu) precisa de discussão.
tags:
publicado por industrias-culturais às 19:27
link | comentar | favorito

POSTAIS DE BERLIM - 8


Há uma relação magnífica dos berlinenses com o rio (Spree) e o jardim (Tiergarten).

Pode dizer-se que a história da cidade nasceu com o desenvolvimento das povoações de Berlim e Cölln, nas margens opostas do Spree, junto ao que é hoje o Nikolaiviertel, actualmente com ruas estreitas, réplicas de edifícios antigos históricos e com restaurantes, cafés e bares. Cölln aparece documentada em 1237 e a sua povoação gémea Berlim em 1244. De traça inicial gótica e renascentista, a construção do palácio dos eleitores do Brandeburgo e a sua conversão posterior em palácio imperial - o Stadtschloss - alteraram a fisionomia inicial. O próprio palácio seria arrasado em 1950, mas sobreviveram alguns edifícios como a catedral (Berliner Dom) e os museus, que dão o nome à ilha. O passeio de barco ao longo do rio é uma das actividades a recomendar numa visita à cidade.

Também o Tiergarten faz parte do roteiro habitual de quem se desloca a Berlim. Antiga coutada de caça, o Tiergarten transformou-se em parque no século XVIII.



publicado por industrias-culturais às 09:17
link | comentar | ver comentários (1) | favorito

POSTAIS DE BERLIM - 8


Há uma relação magnífica dos berlinenses com o rio (Spree) e o jardim (Tiergarten).

Pode dizer-se que a história da cidade nasceu com o desenvolvimento das povoações de Berlim e Cölln, nas margens opostas do Spree, junto ao que é hoje o Nikolaiviertel, actualmente com ruas estreitas, réplicas de edifícios antigos históricos e com restaurantes, cafés e bares. Cölln aparece documentada em 1237 e a sua povoação gémea Berlim em 1244. De traça inicial gótica e renascentista, a construção do palácio dos eleitores do Brandeburgo e a sua conversão posterior em palácio imperial - o Stadtschloss - alteraram a fisionomia inicial. O próprio palácio seria arrasado em 1950, mas sobreviveram alguns edifícios como a catedral (Berliner Dom) e os museus, que dão o nome à ilha. O passeio de barco ao longo do rio é uma das actividades a recomendar numa visita à cidade.

Também o Tiergarten faz parte do roteiro habitual de quem se desloca a Berlim. Antiga coutada de caça, o Tiergarten transformou-se em parque no século XVIII.



publicado por industrias-culturais às 09:17
link | comentar | ver comentários (1) | favorito

POSTAIS DE BERLIM - 8


Há uma relação magnífica dos berlinenses com o rio (Spree) e o jardim (Tiergarten).

Pode dizer-se que a história da cidade nasceu com o desenvolvimento das povoações de Berlim e Cölln, nas margens opostas do Spree, junto ao que é hoje o Nikolaiviertel, actualmente com ruas estreitas, réplicas de edifícios antigos históricos e com restaurantes, cafés e bares. Cölln aparece documentada em 1237 e a sua povoação gémea Berlim em 1244. De traça inicial gótica e renascentista, a construção do palácio dos eleitores do Brandeburgo e a sua conversão posterior em palácio imperial - o Stadtschloss - alteraram a fisionomia inicial. O próprio palácio seria arrasado em 1950, mas sobreviveram alguns edifícios como a catedral (Berliner Dom) e os museus, que dão o nome à ilha. O passeio de barco ao longo do rio é uma das actividades a recomendar numa visita à cidade.

Também o Tiergarten faz parte do roteiro habitual de quem se desloca a Berlim. Antiga coutada de caça, o Tiergarten transformou-se em parque no século XVIII.



publicado por industrias-culturais às 09:17
link | comentar | ver comentários (1) | favorito

POSTAIS DE BERLIM - 8


Há uma relação magnífica dos berlinenses com o rio (Spree) e o jardim (Tiergarten).

Pode dizer-se que a história da cidade nasceu com o desenvolvimento das povoações de Berlim e Cölln, nas margens opostas do Spree, junto ao que é hoje o Nikolaiviertel, actualmente com ruas estreitas, réplicas de edifícios antigos históricos e com restaurantes, cafés e bares. Cölln aparece documentada em 1237 e a sua povoação gémea Berlim em 1244. De traça inicial gótica e renascentista, a construção do palácio dos eleitores do Brandeburgo e a sua conversão posterior em palácio imperial - o Stadtschloss - alteraram a fisionomia inicial. O próprio palácio seria arrasado em 1950, mas sobreviveram alguns edifícios como a catedral (Berliner Dom) e os museus, que dão o nome à ilha. O passeio de barco ao longo do rio é uma das actividades a recomendar numa visita à cidade.

Também o Tiergarten faz parte do roteiro habitual de quem se desloca a Berlim. Antiga coutada de caça, o Tiergarten transformou-se em parque no século XVIII.



publicado por industrias-culturais às 09:17
link | comentar | ver comentários (1) | favorito

POSTAIS DE BERLIM - 8


Há uma relação magnífica dos berlinenses com o rio (Spree) e o jardim (Tiergarten).

Pode dizer-se que a história da cidade nasceu com o desenvolvimento das povoações de Berlim e Cölln, nas margens opostas do Spree, junto ao que é hoje o Nikolaiviertel, actualmente com ruas estreitas, réplicas de edifícios antigos históricos e com restaurantes, cafés e bares. Cölln aparece documentada em 1237 e a sua povoação gémea Berlim em 1244. De traça inicial gótica e renascentista, a construção do palácio dos eleitores do Brandeburgo e a sua conversão posterior em palácio imperial - o Stadtschloss - alteraram a fisionomia inicial. O próprio palácio seria arrasado em 1950, mas sobreviveram alguns edifícios como a catedral (Berliner Dom) e os museus, que dão o nome à ilha. O passeio de barco ao longo do rio é uma das actividades a recomendar numa visita à cidade.

Também o Tiergarten faz parte do roteiro habitual de quem se desloca a Berlim. Antiga coutada de caça, o Tiergarten transformou-se em parque no século XVIII.



publicado por industrias-culturais às 09:17
link | comentar | ver comentários (1) | favorito

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 1 seguidor

.pesquisar

.Junho 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
13
27
28
29
30

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Transportes públicos japo...

. Televisão japonesa

. Templos em Tóquio

. Novos diretores de jornai...

. Santuário Fushimi Inari T...

. Templo do Pavilhão Dourad...

. Kiyomizu-dera (leste de Q...

. Castelo Nijo (Quioto)

. Quioto à hora do jantar

. Introdução ao teatro Bunr...

.arquivos

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

. Março 2004

. Fevereiro 2004

. Janeiro 2004

. Dezembro 2003

. Novembro 2003

. Outubro 2003

. Agosto 2003

. Abril 2003

. Março 2003

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds

Em destaque no SAPO Blogs
pub