Sexta-feira, 1 de Abril de 2005

...

CRIANÇAS E FÃS DE DESENHOS ANIMADOS – DA INOCÊNCIA À VIOLÊNCIA

O tema escolhido por Carla Pereira, aluna do mestrado de ciências da comunicação da Universidade Católica, é actual. No trabalho final do módulo de Media, Públicos e Audiências, ela debruçou-se sobre os “potenciais efeitos negativos da exposição televisiva”, em especial o consumo de desenhos animados, chegando a falar em “cultura infantil subversiva”. Mas de que se trata, afinal?

Carla Pereira escreve que, “ao admirarem uma determinada personagem (fictícia), as crianças tornam-se peritas na arte de imitação, primeiro individual depois colectiva, reforçada pelo encontro com outras crianças na escola” (p. 10). Para entender melhor a situação, a autora aplicou um inquérito com perguntas fechadas e semi-abertas a 28 crianças de uma escola particular de Lisboa. Considerou quatro dimensões: 1) caracterização do inquirido (idade e sexo), 2) hábitos de consumo televisivo, 3) preferências de séries infanto-juvenis, e 4) fãs e fanatismo. Realizou um pré-teste antes de aplicar o questionário. Da população inquirida, 81% tem sete anos e 19% oito anos, com 54% de rapazes e 46% de raparigas.

carlapereira3.jpgDas crianças inquiridas, 73% vêm desenhos animados todos os dias, sendo que 24% vêem mais ao fim-de-semana. Em termos de tempos livres, a maioria das crianças (69%) dedica mais tempo a ver televisão do que a brincar com os pais e os irmãos. Os picos de maior audiência dão-se antes do jantar (durante a semana) e depois do jantar (ao fim-de-semana). Do total das crianças, 19% afirma ver televisão a qualquer hora.

Rápida caracterização de alguns desenhos animados

A autora analisou 27 séries de desenhos animados. Das preferidas, Kim Possible vem em primeiro lugar, seguindo-se Lilo & Stitch, Digimon, Recreio, Sabrina, Timon & Pumba, Doreimon e Dave o bárbaro. Kim Possible, personagem respeitada e admirada na escola pelos amigos, é tratada pelos pais como criança pequena. Aventureira, perita em defesa e luta pessoal, é uma excelente aluna. Já Lilo é uma menina orfã, que adopta Stitch, uma mascote que parece um cão mas é o resultado de experiência genética que usa Lilo como escudo humano contra captores extra-terrestres. Stitch tem uma inteligência superior aos humanos e também uma grande força destruidora.

carlapereira4.jpgDigimon caracteriza-se pela aventura de um menino misterioso, com um amigo digimon que se encontra no digimundo a escravizar todos os digimaus que lá vivem. Se o Recreio conta com cinco heróis que têm como objectivo tomar conta do recreio e proteger os fracos dos fortes, Dave o bárbaro é alguém com a força de dez homens que, na companhia das suas duas irmãs, protege o reino na ausência dos pais.

Enquanto as meninas, prossegue o estudo de Carla Pereira, se identificam mais com as personagens Kim Possible e Sabrina, os meninos preferem as personagens de Digimon, Ninja, Stitch e Medabots.

carlapereira2.jpgMuitas das crianças gostam de brincar com os colegas no recreio imitando as suas personagens favoritas (p. 17). Assim, 81% gostam da personagem pelo facto de ser valente e amigo, 73% por ser bonito e corajoso, 65% por ser forte e feliz, 62% por ser divertida e 58% por ser simpática. Acrescenta a mestranda: "Categorias como mau, feio e irritado não foram assinaladas em qualquer dos inquéritos. Isto poderá levar a depreender que as crianças ficam fascinadas pela beleza, riqueza fácil, ficção demagoga, e iludidas por considerarem fazer parte de um mundo onde tudo é perfeito, belo e de fácil acesso. Perante as contrariedades, basta ser forte, valente e corajoso, sem olhar a meios para atingir os seus fins, já que os desenhos animados preferidos demonstram que raramente as personagens são repreendidas ou castigadas pelo mal".

As meninas atribuem maior valor às categorias de bonito, simpático e feliz; os meninos preferem a valentia e a amizade.

Conclusões

carlapereira1.jpgO estudo exploratório de Carla Pereira demonstra que 77% das crianças ocupam 90% do seu tempo livre a ver televisão sem qualquer restrição por parte dos pais. Estes "não seleccionam os desenhos animados por confiarem na capacidade das actuais indústrias de conteúdos e novas tecnologias (megamedia) em conceberem séries pedagógico-formativas. Contudo a violência e a agressividade manifesta-se em qualquer série sem qualquer explicação adicional, deixando ao critério das crianças a descodificação do conteúdo. A necessidade de ocupar as crianças para libertar os pais dessa função tem ido mais longe". Das crianças inquiridas no trabalho, 42% têm "televisão no quarto, dos quais 64% são meninas e 36% meninos".

A metodologia, o empenho e o modo de apresentação do trabalho de Carla Pereira (apesar de ter um número pequeno de inquiridos e pertencentes a uma escola identificada com uma classe de alto nível económico) levou-me a concluir estar perante um trabalho muito rigoroso. O texto termina do seguinte modo: "A sociedade não pode parar a manifestação da violência nos desenhos animados mas pode contribuir para a minimização dos seus efeitos" (p. 20). A mestranda - com uma criança na idade dos inquiridos, pelo que a observa permanentemente em casa e nos períodos em que a leva e vai buscar à escola -, fez um trabalho notável de visionamento das séries de desenhos animados, como ficou provado na apresentação do trabalho em PowerPoint (em sessão pós-entrega de notas). Encorajo-a a prosseguir esta investigação noutro âmbito.
publicado por industrias-culturais às 08:22
link | comentar | ver comentários (2) | favorito

...

CRIANÇAS E FÃS DE DESENHOS ANIMADOS – DA INOCÊNCIA À VIOLÊNCIA

O tema escolhido por Carla Pereira, aluna do mestrado de ciências da comunicação da Universidade Católica, é actual. No trabalho final do módulo de Media, Públicos e Audiências, ela debruçou-se sobre os “potenciais efeitos negativos da exposição televisiva”, em especial o consumo de desenhos animados, chegando a falar em “cultura infantil subversiva”. Mas de que se trata, afinal?

Carla Pereira escreve que, “ao admirarem uma determinada personagem (fictícia), as crianças tornam-se peritas na arte de imitação, primeiro individual depois colectiva, reforçada pelo encontro com outras crianças na escola” (p. 10). Para entender melhor a situação, a autora aplicou um inquérito com perguntas fechadas e semi-abertas a 28 crianças de uma escola particular de Lisboa. Considerou quatro dimensões: 1) caracterização do inquirido (idade e sexo), 2) hábitos de consumo televisivo, 3) preferências de séries infanto-juvenis, e 4) fãs e fanatismo. Realizou um pré-teste antes de aplicar o questionário. Da população inquirida, 81% tem sete anos e 19% oito anos, com 54% de rapazes e 46% de raparigas.

carlapereira3.jpgDas crianças inquiridas, 73% vêm desenhos animados todos os dias, sendo que 24% vêem mais ao fim-de-semana. Em termos de tempos livres, a maioria das crianças (69%) dedica mais tempo a ver televisão do que a brincar com os pais e os irmãos. Os picos de maior audiência dão-se antes do jantar (durante a semana) e depois do jantar (ao fim-de-semana). Do total das crianças, 19% afirma ver televisão a qualquer hora.

Rápida caracterização de alguns desenhos animados

A autora analisou 27 séries de desenhos animados. Das preferidas, Kim Possible vem em primeiro lugar, seguindo-se Lilo & Stitch, Digimon, Recreio, Sabrina, Timon & Pumba, Doreimon e Dave o bárbaro. Kim Possible, personagem respeitada e admirada na escola pelos amigos, é tratada pelos pais como criança pequena. Aventureira, perita em defesa e luta pessoal, é uma excelente aluna. Já Lilo é uma menina orfã, que adopta Stitch, uma mascote que parece um cão mas é o resultado de experiência genética que usa Lilo como escudo humano contra captores extra-terrestres. Stitch tem uma inteligência superior aos humanos e também uma grande força destruidora.

carlapereira4.jpgDigimon caracteriza-se pela aventura de um menino misterioso, com um amigo digimon que se encontra no digimundo a escravizar todos os digimaus que lá vivem. Se o Recreio conta com cinco heróis que têm como objectivo tomar conta do recreio e proteger os fracos dos fortes, Dave o bárbaro é alguém com a força de dez homens que, na companhia das suas duas irmãs, protege o reino na ausência dos pais.

Enquanto as meninas, prossegue o estudo de Carla Pereira, se identificam mais com as personagens Kim Possible e Sabrina, os meninos preferem as personagens de Digimon, Ninja, Stitch e Medabots.

carlapereira2.jpgMuitas das crianças gostam de brincar com os colegas no recreio imitando as suas personagens favoritas (p. 17). Assim, 81% gostam da personagem pelo facto de ser valente e amigo, 73% por ser bonito e corajoso, 65% por ser forte e feliz, 62% por ser divertida e 58% por ser simpática. Acrescenta a mestranda: "Categorias como mau, feio e irritado não foram assinaladas em qualquer dos inquéritos. Isto poderá levar a depreender que as crianças ficam fascinadas pela beleza, riqueza fácil, ficção demagoga, e iludidas por considerarem fazer parte de um mundo onde tudo é perfeito, belo e de fácil acesso. Perante as contrariedades, basta ser forte, valente e corajoso, sem olhar a meios para atingir os seus fins, já que os desenhos animados preferidos demonstram que raramente as personagens são repreendidas ou castigadas pelo mal".

As meninas atribuem maior valor às categorias de bonito, simpático e feliz; os meninos preferem a valentia e a amizade.

Conclusões

carlapereira1.jpgO estudo exploratório de Carla Pereira demonstra que 77% das crianças ocupam 90% do seu tempo livre a ver televisão sem qualquer restrição por parte dos pais. Estes "não seleccionam os desenhos animados por confiarem na capacidade das actuais indústrias de conteúdos e novas tecnologias (megamedia) em conceberem séries pedagógico-formativas. Contudo a violência e a agressividade manifesta-se em qualquer série sem qualquer explicação adicional, deixando ao critério das crianças a descodificação do conteúdo. A necessidade de ocupar as crianças para libertar os pais dessa função tem ido mais longe". Das crianças inquiridas no trabalho, 42% têm "televisão no quarto, dos quais 64% são meninas e 36% meninos".

A metodologia, o empenho e o modo de apresentação do trabalho de Carla Pereira (apesar de ter um número pequeno de inquiridos e pertencentes a uma escola identificada com uma classe de alto nível económico) levou-me a concluir estar perante um trabalho muito rigoroso. O texto termina do seguinte modo: "A sociedade não pode parar a manifestação da violência nos desenhos animados mas pode contribuir para a minimização dos seus efeitos" (p. 20). A mestranda - com uma criança na idade dos inquiridos, pelo que a observa permanentemente em casa e nos períodos em que a leva e vai buscar à escola -, fez um trabalho notável de visionamento das séries de desenhos animados, como ficou provado na apresentação do trabalho em PowerPoint (em sessão pós-entrega de notas). Encorajo-a a prosseguir esta investigação noutro âmbito.
publicado por industrias-culturais às 08:22
link | comentar | ver comentários (2) | favorito

...

CRIANÇAS E FÃS DE DESENHOS ANIMADOS – DA INOCÊNCIA À VIOLÊNCIA

O tema escolhido por Carla Pereira, aluna do mestrado de ciências da comunicação da Universidade Católica, é actual. No trabalho final do módulo de Media, Públicos e Audiências, ela debruçou-se sobre os “potenciais efeitos negativos da exposição televisiva”, em especial o consumo de desenhos animados, chegando a falar em “cultura infantil subversiva”. Mas de que se trata, afinal?

Carla Pereira escreve que, “ao admirarem uma determinada personagem (fictícia), as crianças tornam-se peritas na arte de imitação, primeiro individual depois colectiva, reforçada pelo encontro com outras crianças na escola” (p. 10). Para entender melhor a situação, a autora aplicou um inquérito com perguntas fechadas e semi-abertas a 28 crianças de uma escola particular de Lisboa. Considerou quatro dimensões: 1) caracterização do inquirido (idade e sexo), 2) hábitos de consumo televisivo, 3) preferências de séries infanto-juvenis, e 4) fãs e fanatismo. Realizou um pré-teste antes de aplicar o questionário. Da população inquirida, 81% tem sete anos e 19% oito anos, com 54% de rapazes e 46% de raparigas.

carlapereira3.jpgDas crianças inquiridas, 73% vêm desenhos animados todos os dias, sendo que 24% vêem mais ao fim-de-semana. Em termos de tempos livres, a maioria das crianças (69%) dedica mais tempo a ver televisão do que a brincar com os pais e os irmãos. Os picos de maior audiência dão-se antes do jantar (durante a semana) e depois do jantar (ao fim-de-semana). Do total das crianças, 19% afirma ver televisão a qualquer hora.

Rápida caracterização de alguns desenhos animados

A autora analisou 27 séries de desenhos animados. Das preferidas, Kim Possible vem em primeiro lugar, seguindo-se Lilo & Stitch, Digimon, Recreio, Sabrina, Timon & Pumba, Doreimon e Dave o bárbaro. Kim Possible, personagem respeitada e admirada na escola pelos amigos, é tratada pelos pais como criança pequena. Aventureira, perita em defesa e luta pessoal, é uma excelente aluna. Já Lilo é uma menina orfã, que adopta Stitch, uma mascote que parece um cão mas é o resultado de experiência genética que usa Lilo como escudo humano contra captores extra-terrestres. Stitch tem uma inteligência superior aos humanos e também uma grande força destruidora.

carlapereira4.jpgDigimon caracteriza-se pela aventura de um menino misterioso, com um amigo digimon que se encontra no digimundo a escravizar todos os digimaus que lá vivem. Se o Recreio conta com cinco heróis que têm como objectivo tomar conta do recreio e proteger os fracos dos fortes, Dave o bárbaro é alguém com a força de dez homens que, na companhia das suas duas irmãs, protege o reino na ausência dos pais.

Enquanto as meninas, prossegue o estudo de Carla Pereira, se identificam mais com as personagens Kim Possible e Sabrina, os meninos preferem as personagens de Digimon, Ninja, Stitch e Medabots.

carlapereira2.jpgMuitas das crianças gostam de brincar com os colegas no recreio imitando as suas personagens favoritas (p. 17). Assim, 81% gostam da personagem pelo facto de ser valente e amigo, 73% por ser bonito e corajoso, 65% por ser forte e feliz, 62% por ser divertida e 58% por ser simpática. Acrescenta a mestranda: "Categorias como mau, feio e irritado não foram assinaladas em qualquer dos inquéritos. Isto poderá levar a depreender que as crianças ficam fascinadas pela beleza, riqueza fácil, ficção demagoga, e iludidas por considerarem fazer parte de um mundo onde tudo é perfeito, belo e de fácil acesso. Perante as contrariedades, basta ser forte, valente e corajoso, sem olhar a meios para atingir os seus fins, já que os desenhos animados preferidos demonstram que raramente as personagens são repreendidas ou castigadas pelo mal".

As meninas atribuem maior valor às categorias de bonito, simpático e feliz; os meninos preferem a valentia e a amizade.

Conclusões

carlapereira1.jpgO estudo exploratório de Carla Pereira demonstra que 77% das crianças ocupam 90% do seu tempo livre a ver televisão sem qualquer restrição por parte dos pais. Estes "não seleccionam os desenhos animados por confiarem na capacidade das actuais indústrias de conteúdos e novas tecnologias (megamedia) em conceberem séries pedagógico-formativas. Contudo a violência e a agressividade manifesta-se em qualquer série sem qualquer explicação adicional, deixando ao critério das crianças a descodificação do conteúdo. A necessidade de ocupar as crianças para libertar os pais dessa função tem ido mais longe". Das crianças inquiridas no trabalho, 42% têm "televisão no quarto, dos quais 64% são meninas e 36% meninos".

A metodologia, o empenho e o modo de apresentação do trabalho de Carla Pereira (apesar de ter um número pequeno de inquiridos e pertencentes a uma escola identificada com uma classe de alto nível económico) levou-me a concluir estar perante um trabalho muito rigoroso. O texto termina do seguinte modo: "A sociedade não pode parar a manifestação da violência nos desenhos animados mas pode contribuir para a minimização dos seus efeitos" (p. 20). A mestranda - com uma criança na idade dos inquiridos, pelo que a observa permanentemente em casa e nos períodos em que a leva e vai buscar à escola -, fez um trabalho notável de visionamento das séries de desenhos animados, como ficou provado na apresentação do trabalho em PowerPoint (em sessão pós-entrega de notas). Encorajo-a a prosseguir esta investigação noutro âmbito.
publicado por industrias-culturais às 08:22
link | comentar | ver comentários (2) | favorito

...

CRIANÇAS E FÃS DE DESENHOS ANIMADOS – DA INOCÊNCIA À VIOLÊNCIA

O tema escolhido por Carla Pereira, aluna do mestrado de ciências da comunicação da Universidade Católica, é actual. No trabalho final do módulo de Media, Públicos e Audiências, ela debruçou-se sobre os “potenciais efeitos negativos da exposição televisiva”, em especial o consumo de desenhos animados, chegando a falar em “cultura infantil subversiva”. Mas de que se trata, afinal?

Carla Pereira escreve que, “ao admirarem uma determinada personagem (fictícia), as crianças tornam-se peritas na arte de imitação, primeiro individual depois colectiva, reforçada pelo encontro com outras crianças na escola” (p. 10). Para entender melhor a situação, a autora aplicou um inquérito com perguntas fechadas e semi-abertas a 28 crianças de uma escola particular de Lisboa. Considerou quatro dimensões: 1) caracterização do inquirido (idade e sexo), 2) hábitos de consumo televisivo, 3) preferências de séries infanto-juvenis, e 4) fãs e fanatismo. Realizou um pré-teste antes de aplicar o questionário. Da população inquirida, 81% tem sete anos e 19% oito anos, com 54% de rapazes e 46% de raparigas.

carlapereira3.jpgDas crianças inquiridas, 73% vêm desenhos animados todos os dias, sendo que 24% vêem mais ao fim-de-semana. Em termos de tempos livres, a maioria das crianças (69%) dedica mais tempo a ver televisão do que a brincar com os pais e os irmãos. Os picos de maior audiência dão-se antes do jantar (durante a semana) e depois do jantar (ao fim-de-semana). Do total das crianças, 19% afirma ver televisão a qualquer hora.

Rápida caracterização de alguns desenhos animados

A autora analisou 27 séries de desenhos animados. Das preferidas, Kim Possible vem em primeiro lugar, seguindo-se Lilo & Stitch, Digimon, Recreio, Sabrina, Timon & Pumba, Doreimon e Dave o bárbaro. Kim Possible, personagem respeitada e admirada na escola pelos amigos, é tratada pelos pais como criança pequena. Aventureira, perita em defesa e luta pessoal, é uma excelente aluna. Já Lilo é uma menina orfã, que adopta Stitch, uma mascote que parece um cão mas é o resultado de experiência genética que usa Lilo como escudo humano contra captores extra-terrestres. Stitch tem uma inteligência superior aos humanos e também uma grande força destruidora.

carlapereira4.jpgDigimon caracteriza-se pela aventura de um menino misterioso, com um amigo digimon que se encontra no digimundo a escravizar todos os digimaus que lá vivem. Se o Recreio conta com cinco heróis que têm como objectivo tomar conta do recreio e proteger os fracos dos fortes, Dave o bárbaro é alguém com a força de dez homens que, na companhia das suas duas irmãs, protege o reino na ausência dos pais.

Enquanto as meninas, prossegue o estudo de Carla Pereira, se identificam mais com as personagens Kim Possible e Sabrina, os meninos preferem as personagens de Digimon, Ninja, Stitch e Medabots.

carlapereira2.jpgMuitas das crianças gostam de brincar com os colegas no recreio imitando as suas personagens favoritas (p. 17). Assim, 81% gostam da personagem pelo facto de ser valente e amigo, 73% por ser bonito e corajoso, 65% por ser forte e feliz, 62% por ser divertida e 58% por ser simpática. Acrescenta a mestranda: "Categorias como mau, feio e irritado não foram assinaladas em qualquer dos inquéritos. Isto poderá levar a depreender que as crianças ficam fascinadas pela beleza, riqueza fácil, ficção demagoga, e iludidas por considerarem fazer parte de um mundo onde tudo é perfeito, belo e de fácil acesso. Perante as contrariedades, basta ser forte, valente e corajoso, sem olhar a meios para atingir os seus fins, já que os desenhos animados preferidos demonstram que raramente as personagens são repreendidas ou castigadas pelo mal".

As meninas atribuem maior valor às categorias de bonito, simpático e feliz; os meninos preferem a valentia e a amizade.

Conclusões

carlapereira1.jpgO estudo exploratório de Carla Pereira demonstra que 77% das crianças ocupam 90% do seu tempo livre a ver televisão sem qualquer restrição por parte dos pais. Estes "não seleccionam os desenhos animados por confiarem na capacidade das actuais indústrias de conteúdos e novas tecnologias (megamedia) em conceberem séries pedagógico-formativas. Contudo a violência e a agressividade manifesta-se em qualquer série sem qualquer explicação adicional, deixando ao critério das crianças a descodificação do conteúdo. A necessidade de ocupar as crianças para libertar os pais dessa função tem ido mais longe". Das crianças inquiridas no trabalho, 42% têm "televisão no quarto, dos quais 64% são meninas e 36% meninos".

A metodologia, o empenho e o modo de apresentação do trabalho de Carla Pereira (apesar de ter um número pequeno de inquiridos e pertencentes a uma escola identificada com uma classe de alto nível económico) levou-me a concluir estar perante um trabalho muito rigoroso. O texto termina do seguinte modo: "A sociedade não pode parar a manifestação da violência nos desenhos animados mas pode contribuir para a minimização dos seus efeitos" (p. 20). A mestranda - com uma criança na idade dos inquiridos, pelo que a observa permanentemente em casa e nos períodos em que a leva e vai buscar à escola -, fez um trabalho notável de visionamento das séries de desenhos animados, como ficou provado na apresentação do trabalho em PowerPoint (em sessão pós-entrega de notas). Encorajo-a a prosseguir esta investigação noutro âmbito.
publicado por industrias-culturais às 08:22
link | comentar | ver comentários (2) | favorito

...

CRIANÇAS E FÃS DE DESENHOS ANIMADOS – DA INOCÊNCIA À VIOLÊNCIA

O tema escolhido por Carla Pereira, aluna do mestrado de ciências da comunicação da Universidade Católica, é actual. No trabalho final do módulo de Media, Públicos e Audiências, ela debruçou-se sobre os “potenciais efeitos negativos da exposição televisiva”, em especial o consumo de desenhos animados, chegando a falar em “cultura infantil subversiva”. Mas de que se trata, afinal?

Carla Pereira escreve que, “ao admirarem uma determinada personagem (fictícia), as crianças tornam-se peritas na arte de imitação, primeiro individual depois colectiva, reforçada pelo encontro com outras crianças na escola” (p. 10). Para entender melhor a situação, a autora aplicou um inquérito com perguntas fechadas e semi-abertas a 28 crianças de uma escola particular de Lisboa. Considerou quatro dimensões: 1) caracterização do inquirido (idade e sexo), 2) hábitos de consumo televisivo, 3) preferências de séries infanto-juvenis, e 4) fãs e fanatismo. Realizou um pré-teste antes de aplicar o questionário. Da população inquirida, 81% tem sete anos e 19% oito anos, com 54% de rapazes e 46% de raparigas.

carlapereira3.jpgDas crianças inquiridas, 73% vêm desenhos animados todos os dias, sendo que 24% vêem mais ao fim-de-semana. Em termos de tempos livres, a maioria das crianças (69%) dedica mais tempo a ver televisão do que a brincar com os pais e os irmãos. Os picos de maior audiência dão-se antes do jantar (durante a semana) e depois do jantar (ao fim-de-semana). Do total das crianças, 19% afirma ver televisão a qualquer hora.

Rápida caracterização de alguns desenhos animados

A autora analisou 27 séries de desenhos animados. Das preferidas, Kim Possible vem em primeiro lugar, seguindo-se Lilo & Stitch, Digimon, Recreio, Sabrina, Timon & Pumba, Doreimon e Dave o bárbaro. Kim Possible, personagem respeitada e admirada na escola pelos amigos, é tratada pelos pais como criança pequena. Aventureira, perita em defesa e luta pessoal, é uma excelente aluna. Já Lilo é uma menina orfã, que adopta Stitch, uma mascote que parece um cão mas é o resultado de experiência genética que usa Lilo como escudo humano contra captores extra-terrestres. Stitch tem uma inteligência superior aos humanos e também uma grande força destruidora.

carlapereira4.jpgDigimon caracteriza-se pela aventura de um menino misterioso, com um amigo digimon que se encontra no digimundo a escravizar todos os digimaus que lá vivem. Se o Recreio conta com cinco heróis que têm como objectivo tomar conta do recreio e proteger os fracos dos fortes, Dave o bárbaro é alguém com a força de dez homens que, na companhia das suas duas irmãs, protege o reino na ausência dos pais.

Enquanto as meninas, prossegue o estudo de Carla Pereira, se identificam mais com as personagens Kim Possible e Sabrina, os meninos preferem as personagens de Digimon, Ninja, Stitch e Medabots.

carlapereira2.jpgMuitas das crianças gostam de brincar com os colegas no recreio imitando as suas personagens favoritas (p. 17). Assim, 81% gostam da personagem pelo facto de ser valente e amigo, 73% por ser bonito e corajoso, 65% por ser forte e feliz, 62% por ser divertida e 58% por ser simpática. Acrescenta a mestranda: "Categorias como mau, feio e irritado não foram assinaladas em qualquer dos inquéritos. Isto poderá levar a depreender que as crianças ficam fascinadas pela beleza, riqueza fácil, ficção demagoga, e iludidas por considerarem fazer parte de um mundo onde tudo é perfeito, belo e de fácil acesso. Perante as contrariedades, basta ser forte, valente e corajoso, sem olhar a meios para atingir os seus fins, já que os desenhos animados preferidos demonstram que raramente as personagens são repreendidas ou castigadas pelo mal".

As meninas atribuem maior valor às categorias de bonito, simpático e feliz; os meninos preferem a valentia e a amizade.

Conclusões

carlapereira1.jpgO estudo exploratório de Carla Pereira demonstra que 77% das crianças ocupam 90% do seu tempo livre a ver televisão sem qualquer restrição por parte dos pais. Estes "não seleccionam os desenhos animados por confiarem na capacidade das actuais indústrias de conteúdos e novas tecnologias (megamedia) em conceberem séries pedagógico-formativas. Contudo a violência e a agressividade manifesta-se em qualquer série sem qualquer explicação adicional, deixando ao critério das crianças a descodificação do conteúdo. A necessidade de ocupar as crianças para libertar os pais dessa função tem ido mais longe". Das crianças inquiridas no trabalho, 42% têm "televisão no quarto, dos quais 64% são meninas e 36% meninos".

A metodologia, o empenho e o modo de apresentação do trabalho de Carla Pereira (apesar de ter um número pequeno de inquiridos e pertencentes a uma escola identificada com uma classe de alto nível económico) levou-me a concluir estar perante um trabalho muito rigoroso. O texto termina do seguinte modo: "A sociedade não pode parar a manifestação da violência nos desenhos animados mas pode contribuir para a minimização dos seus efeitos" (p. 20). A mestranda - com uma criança na idade dos inquiridos, pelo que a observa permanentemente em casa e nos períodos em que a leva e vai buscar à escola -, fez um trabalho notável de visionamento das séries de desenhos animados, como ficou provado na apresentação do trabalho em PowerPoint (em sessão pós-entrega de notas). Encorajo-a a prosseguir esta investigação noutro âmbito.
publicado por industrias-culturais às 08:22
link | comentar | ver comentários (2) | favorito

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 1 seguidor

.pesquisar

.Junho 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
13
27
28
29
30

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Transportes públicos japo...

. Televisão japonesa

. Templos em Tóquio

. Novos diretores de jornai...

. Santuário Fushimi Inari T...

. Templo do Pavilhão Dourad...

. Kiyomizu-dera (leste de Q...

. Castelo Nijo (Quioto)

. Quioto à hora do jantar

. Introdução ao teatro Bunr...

.arquivos

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

. Março 2004

. Fevereiro 2004

. Janeiro 2004

. Dezembro 2003

. Novembro 2003

. Outubro 2003

. Agosto 2003

. Abril 2003

. Março 2003

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds

Em destaque no SAPO Blogs
pub