Quarta-feira, 2 de Junho de 2004

...

DEFENDIDA TESE DE MESTRADO SOBRE RÁDIO

Conforme destaquei ontem, foi defendida uma tese de mestrado, na Universidade de Coimbra, por João Magalhães Perpétuo Correia, intitulada A convergência das novas tecnologias para o reforço do interesse e utilidade pública das rádios locais. Na tese, quero relevar o que o agora mestre João Correia escreveu sobre as rádios locais de Viseu, e que ocupou basicamente o capítulo 4 do seu trabalho.

Nos anos de 1980, Viseu assistiu ao aparecimento de quatro estações locais, inicialmente designadas "piratas", a exemplo do que aconteceu por todo o país. Assim, a Rádio Clube do Interior (RCI) surgiu em 1983, seguindo-se a Rádio Escala (1984), a Rádio NOAR (1986) e a Rádio Viriato (1987). Se a Rádio Escala ficou pelo caminho, as outras três estações chegaram até aos nossos dias, com percursos diferentes. À RCI, que em 1986 mudaria de proprietário e de filosofia de estação, é-lhe atribuída a maior potência de emissão das três rádios. Depois, em 1996, com nova mudança de proprietário (Anacleto Raimundo), RCI passa a significar Raimundo Comunicação Independente! Se a Rádio NOAR nasceu de um núcleo de cinéfilos ligados ao Cineclube de Viseu, a Rádio Viriato pertenceu sempre ao grupo Nodigráfica. Desde 1996, há uma rede de emissoras que partilham recursos, como os da informação: Rádio NOAR, F (Guarda), Sátão (Sátão) e Fronteira (Vilar Formoso).

Da leitura da tese é possível compreendermos a diversidade de origens, a evolução, os cruzamentos de orientações, vontades e caminhos, o voluntarismo de uns e a profissionalização de outros - na implementação e consolidação de projectos de rádio. O autor desenvolveu ainda (embora o pudesse ter feito mais profundamente) o tema da programação das estações. Ele regista ainda que as rádios têm tendência para uma "programação popular, sem qualidade de conteúdos e com uma informação assente na reprodução de conteúdos jornalísticos de outros órgãos de comunicação social".

Retiro, da tese, um conjunto de tendências: 1) media de proximidade (como defendi nos últimos posts) - há uma realidade que os media locais conhecem e trabalham melhor, como a identidade; 2) ligação ao tecido empresarial, cultural e económico de uma zona ou região; 3) entusiasmo das rádios piratas ou livres, juntando pioneirismo, aventura e juventude; 4) evolução sequencial das prioridades e preocupações - tecnológicas, estético-culturais, financeiras e empresariais. Afinal, as questões dos amadores da rádio (década de 1920), dos defensores de televisão de proximidade (década de 1980), dos blogues (anos recentes).
publicado por industrias-culturais às 08:34
link | comentar | favorito

...

DEFENDIDA TESE DE MESTRADO SOBRE RÁDIO

Conforme destaquei ontem, foi defendida uma tese de mestrado, na Universidade de Coimbra, por João Magalhães Perpétuo Correia, intitulada A convergência das novas tecnologias para o reforço do interesse e utilidade pública das rádios locais. Na tese, quero relevar o que o agora mestre João Correia escreveu sobre as rádios locais de Viseu, e que ocupou basicamente o capítulo 4 do seu trabalho.

Nos anos de 1980, Viseu assistiu ao aparecimento de quatro estações locais, inicialmente designadas "piratas", a exemplo do que aconteceu por todo o país. Assim, a Rádio Clube do Interior (RCI) surgiu em 1983, seguindo-se a Rádio Escala (1984), a Rádio NOAR (1986) e a Rádio Viriato (1987). Se a Rádio Escala ficou pelo caminho, as outras três estações chegaram até aos nossos dias, com percursos diferentes. À RCI, que em 1986 mudaria de proprietário e de filosofia de estação, é-lhe atribuída a maior potência de emissão das três rádios. Depois, em 1996, com nova mudança de proprietário (Anacleto Raimundo), RCI passa a significar Raimundo Comunicação Independente! Se a Rádio NOAR nasceu de um núcleo de cinéfilos ligados ao Cineclube de Viseu, a Rádio Viriato pertenceu sempre ao grupo Nodigráfica. Desde 1996, há uma rede de emissoras que partilham recursos, como os da informação: Rádio NOAR, F (Guarda), Sátão (Sátão) e Fronteira (Vilar Formoso).

Da leitura da tese é possível compreendermos a diversidade de origens, a evolução, os cruzamentos de orientações, vontades e caminhos, o voluntarismo de uns e a profissionalização de outros - na implementação e consolidação de projectos de rádio. O autor desenvolveu ainda (embora o pudesse ter feito mais profundamente) o tema da programação das estações. Ele regista ainda que as rádios têm tendência para uma "programação popular, sem qualidade de conteúdos e com uma informação assente na reprodução de conteúdos jornalísticos de outros órgãos de comunicação social".

Retiro, da tese, um conjunto de tendências: 1) media de proximidade (como defendi nos últimos posts) - há uma realidade que os media locais conhecem e trabalham melhor, como a identidade; 2) ligação ao tecido empresarial, cultural e económico de uma zona ou região; 3) entusiasmo das rádios piratas ou livres, juntando pioneirismo, aventura e juventude; 4) evolução sequencial das prioridades e preocupações - tecnológicas, estético-culturais, financeiras e empresariais. Afinal, as questões dos amadores da rádio (década de 1920), dos defensores de televisão de proximidade (década de 1980), dos blogues (anos recentes).
publicado por industrias-culturais às 08:34
link | comentar | favorito

...

DEFENDIDA TESE DE MESTRADO SOBRE RÁDIO

Conforme destaquei ontem, foi defendida uma tese de mestrado, na Universidade de Coimbra, por João Magalhães Perpétuo Correia, intitulada A convergência das novas tecnologias para o reforço do interesse e utilidade pública das rádios locais. Na tese, quero relevar o que o agora mestre João Correia escreveu sobre as rádios locais de Viseu, e que ocupou basicamente o capítulo 4 do seu trabalho.

Nos anos de 1980, Viseu assistiu ao aparecimento de quatro estações locais, inicialmente designadas "piratas", a exemplo do que aconteceu por todo o país. Assim, a Rádio Clube do Interior (RCI) surgiu em 1983, seguindo-se a Rádio Escala (1984), a Rádio NOAR (1986) e a Rádio Viriato (1987). Se a Rádio Escala ficou pelo caminho, as outras três estações chegaram até aos nossos dias, com percursos diferentes. À RCI, que em 1986 mudaria de proprietário e de filosofia de estação, é-lhe atribuída a maior potência de emissão das três rádios. Depois, em 1996, com nova mudança de proprietário (Anacleto Raimundo), RCI passa a significar Raimundo Comunicação Independente! Se a Rádio NOAR nasceu de um núcleo de cinéfilos ligados ao Cineclube de Viseu, a Rádio Viriato pertenceu sempre ao grupo Nodigráfica. Desde 1996, há uma rede de emissoras que partilham recursos, como os da informação: Rádio NOAR, F (Guarda), Sátão (Sátão) e Fronteira (Vilar Formoso).

Da leitura da tese é possível compreendermos a diversidade de origens, a evolução, os cruzamentos de orientações, vontades e caminhos, o voluntarismo de uns e a profissionalização de outros - na implementação e consolidação de projectos de rádio. O autor desenvolveu ainda (embora o pudesse ter feito mais profundamente) o tema da programação das estações. Ele regista ainda que as rádios têm tendência para uma "programação popular, sem qualidade de conteúdos e com uma informação assente na reprodução de conteúdos jornalísticos de outros órgãos de comunicação social".

Retiro, da tese, um conjunto de tendências: 1) media de proximidade (como defendi nos últimos posts) - há uma realidade que os media locais conhecem e trabalham melhor, como a identidade; 2) ligação ao tecido empresarial, cultural e económico de uma zona ou região; 3) entusiasmo das rádios piratas ou livres, juntando pioneirismo, aventura e juventude; 4) evolução sequencial das prioridades e preocupações - tecnológicas, estético-culturais, financeiras e empresariais. Afinal, as questões dos amadores da rádio (década de 1920), dos defensores de televisão de proximidade (década de 1980), dos blogues (anos recentes).
publicado por industrias-culturais às 08:34
link | comentar | favorito

...

DEFENDIDA TESE DE MESTRADO SOBRE RÁDIO

Conforme destaquei ontem, foi defendida uma tese de mestrado, na Universidade de Coimbra, por João Magalhães Perpétuo Correia, intitulada A convergência das novas tecnologias para o reforço do interesse e utilidade pública das rádios locais. Na tese, quero relevar o que o agora mestre João Correia escreveu sobre as rádios locais de Viseu, e que ocupou basicamente o capítulo 4 do seu trabalho.

Nos anos de 1980, Viseu assistiu ao aparecimento de quatro estações locais, inicialmente designadas "piratas", a exemplo do que aconteceu por todo o país. Assim, a Rádio Clube do Interior (RCI) surgiu em 1983, seguindo-se a Rádio Escala (1984), a Rádio NOAR (1986) e a Rádio Viriato (1987). Se a Rádio Escala ficou pelo caminho, as outras três estações chegaram até aos nossos dias, com percursos diferentes. À RCI, que em 1986 mudaria de proprietário e de filosofia de estação, é-lhe atribuída a maior potência de emissão das três rádios. Depois, em 1996, com nova mudança de proprietário (Anacleto Raimundo), RCI passa a significar Raimundo Comunicação Independente! Se a Rádio NOAR nasceu de um núcleo de cinéfilos ligados ao Cineclube de Viseu, a Rádio Viriato pertenceu sempre ao grupo Nodigráfica. Desde 1996, há uma rede de emissoras que partilham recursos, como os da informação: Rádio NOAR, F (Guarda), Sátão (Sátão) e Fronteira (Vilar Formoso).

Da leitura da tese é possível compreendermos a diversidade de origens, a evolução, os cruzamentos de orientações, vontades e caminhos, o voluntarismo de uns e a profissionalização de outros - na implementação e consolidação de projectos de rádio. O autor desenvolveu ainda (embora o pudesse ter feito mais profundamente) o tema da programação das estações. Ele regista ainda que as rádios têm tendência para uma "programação popular, sem qualidade de conteúdos e com uma informação assente na reprodução de conteúdos jornalísticos de outros órgãos de comunicação social".

Retiro, da tese, um conjunto de tendências: 1) media de proximidade (como defendi nos últimos posts) - há uma realidade que os media locais conhecem e trabalham melhor, como a identidade; 2) ligação ao tecido empresarial, cultural e económico de uma zona ou região; 3) entusiasmo das rádios piratas ou livres, juntando pioneirismo, aventura e juventude; 4) evolução sequencial das prioridades e preocupações - tecnológicas, estético-culturais, financeiras e empresariais. Afinal, as questões dos amadores da rádio (década de 1920), dos defensores de televisão de proximidade (década de 1980), dos blogues (anos recentes).
publicado por industrias-culturais às 08:34
link | comentar | favorito

...

DEFENDIDA TESE DE MESTRADO SOBRE RÁDIO



Conforme destaquei ontem, foi defendida uma tese de mestrado, na Universidade de Coimbra, por João Magalhães Perpétuo Correia, intitulada A convergência das novas tecnologias para o reforço do interesse e utilidade pública das rádios locais. Na tese, quero relevar o que o agora mestre João Correia escreveu sobre as rádios locais de Viseu, e que ocupou basicamente o capítulo 4 do seu trabalho.



Nos anos de 1980, Viseu assistiu ao aparecimento de quatro estações locais, inicialmente designadas "piratas", a exemplo do que aconteceu por todo o país. Assim, a Rádio Clube do Interior (RCI) surgiu em 1983, seguindo-se a Rádio Escala (1984), a Rádio NOAR (1986) e a Rádio Viriato (1987). Se a Rádio Escala ficou pelo caminho, as outras três estações chegaram até aos nossos dias, com percursos diferentes. À RCI, que em 1986 mudaria de proprietário e de filosofia de estação, é-lhe atribuída a maior potência de emissão das três rádios. Depois, em 1996, com nova mudança de proprietário (Anacleto Raimundo), RCI passa a significar Raimundo Comunicação Independente! Se a Rádio NOAR nasceu de um núcleo de cinéfilos ligados ao Cineclube de Viseu, a Rádio Viriato pertenceu sempre ao grupo Nodigráfica. Desde 1996, há uma rede de emissoras que partilham recursos, como os da informação: Rádio NOAR, F (Guarda), Sátão (Sátão) e Fronteira (Vilar Formoso).



Da leitura da tese é possível compreendermos a diversidade de origens, a evolução, os cruzamentos de orientações, vontades e caminhos, o voluntarismo de uns e a profissionalização de outros - na implementação e consolidação de projectos de rádio. O autor desenvolveu ainda (embora o pudesse ter feito mais profundamente) o tema da programação das estações. Ele regista ainda que as rádios têm tendência para uma "programação popular, sem qualidade de conteúdos e com uma informação assente na reprodução de conteúdos jornalísticos de outros órgãos de comunicação social".



Retiro, da tese, um conjunto de tendências: 1) media de proximidade (como defendi nos últimos posts) - há uma realidade que os media locais conhecem e trabalham melhor, como a identidade; 2) ligação ao tecido empresarial, cultural e económico de uma zona ou região; 3) entusiasmo das rádios piratas ou livres, juntando pioneirismo, aventura e juventude; 4) evolução sequencial das prioridades e preocupações - tecnológicas, estético-culturais, financeiras e empresariais. Afinal, as questões dos amadores da rádio (década de 1920), dos defensores de televisão de proximidade (década de 1980), dos blogues (anos recentes).
publicado por industrias-culturais às 08:34
link | comentar | favorito
Terça-feira, 1 de Junho de 2004

...

TESE DE MESTRADO SOBRE RÁDIO EM DEFESA NA UNIVERSIDADE DE COIMBRA

João Magalhães Perpétuo Correia defende hoje, pelas 15:00, a sua tese de mestrado intitulada A convergência das novas tecnologias para o reforço do interesse e utilidade pública das rádios locais, na Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra. Em discussão, as estações locais de Viseu. Prometo voltar ao assunto.

AS NOTÍCIAS EM MAIO DE 1974 - II

[continuação da mensagem de ontem]

Faz-se um registo performativo, no sentido dado por John L. Austin (li a tradução francesa: Quand dire, c’est faire. Paris, Seuil, 1970) pela enunciação, produz-se a acção. Um esclarecimento, declaração, desmentido ou comunicado bastavam para negar a ligação de indivíduos à Pide. Uma curiosa carta, assinada pelo secretário-geral da Cidla, desmentia qualquer ligação com o anterior regime e declarava as suas “reconhecidas convicções liberais”, puro acto elocutório. A linguagem transporta a mudança e expressa a nova mentalidade, que incluiu lutas pela abolição de exames nas escolas, do traje de rigor no teatro S. Carlos, das gravatas na Casa do Alentejo, do boné, gravata e crachá dos motoristas de táxi, da gravata ou qualquer outra imposição de roupa nos alunos de uma escola comercial, da farda da empregada doméstica e do cinto de segurança nos instrutores de automóveis e examinadores. A defesa da integridade física, nos primeiros casos, e a liberdade expressa pela assunção de um vestuário mais informal, nos casos seguintes, definiam, pelo discurso, as novas regras sociais.

Houve também a redefinição das carreiras profissionais, com mudança de nomes. Os enfermeiros do centro de saúde mental do Porto exigiam o fim das hierarquias, unindo tudo numa só categoria profissional. Quanto aos 2500 auxiliares de enfermagem, lutaram pela extinção da categoria e a promoção a enfermeiros. Em plenário, os mestres do ensino secundário reivindicaram a substituição da categoria de mestre pela de professor, enquanto os auxiliares de limpeza das escolas queriam passar à categoria de contínuos. Em anúncio dos hospitais centrais de Lisboa, pedia-se a admissão de empregadas auxiliares, abandonando a velha designação de “criada”, e os jardineiros consideravam-se floricultores e não trabalhadores rurais. As mudanças de nomes pertenciam, na maioria, a carreiras de base. Os nomes antigos estavam depreciados; a alteração dava uma aparência democrática de elevação de classe, de aceitação social pelas tarefas desempenhadas.

De reconhecido papel no futuro do país, a escola e a educação têm uma dimensão apreciável nas notícias do mês de Maio de 1974. Sujeitas a tremendas contradições, fruto de uma polifonia de vozes e de interesses, emergem a utopia e os ideais nos discursos sobre a educação. Para os professores de História do liceu D. João III, era preciso redefinir o “papel da história como elemento primordial da integração consciente e responsável do aluno na nova sociedade”. Para um grupo de professores do Porto, em comunicado, “torna-se urgente que libertemos a criança. (Elas) continuam nas escolas e nos liceus a fazer redacções sobre a Primavera, a carochinha, a desenhar canecas, púcaros e outras futilidades. Ainda não se lhes deu oportunidade de tomar parte activa na onda de liberdade que varreu a ideologia fascista do nosso país”. Um grupo de mobilização dos alunos dos liceus de Sintra escrevia, também em comunicado: “o ensino é cooperação. Temos de trabalhar no sentido da destruição das barreiras clássicas entre professores e alunos. Não se trata mais de amontoar conhecimentos à custa de métodos repressivos, autoritários, negação constante da personalidade dos alunos”.

Os professores, em diversas ocasiões e locais protestaram, no início do mês, contra a possível recondução do ministro Veiga Simão. Estudantes da Faculdade de Letras de Lisboa pediam a abolição da tese de licenciatura e na do Porto reivindicavam a abolição dos exames e o fim do ano lectivo. Em reunião geral, aprovava-se a passagem administrativa. Alunos da escola Aurélia de Sousa destituiam a directora, ao passo que a Faculdade de Letras de Lisboa exigia a expulsão de Veríssimo Serrão, Borges Macedo e outros professores e a readmissão de professores afastados por razões ideológicas e políticas. Mas outros alunos defendiam a manutenção de Borges de Macedo. Um abaixo-assinado propunha baixar a média de dispensa de exames do 7º ano de 14 para 12 valores. Os alunos do 3º ano dos liceus do Porto, em petição, pretendiam a dispensa de exames com média de 10 valores. Outros estudantes do secundário iam mais longe, ao exigirem aprovação com 8,5 valores na escrita ou na oral. Outros ainda, um pouco mais moderados, pediam dispensa de exames liceais a partir de 9,5 valores.

Em Coimbra, os estudantes pretendiam a abolição dos exames de admissão à universidade. Uma manifestação em Lisboa, com cerca de sete mil estudantes, estava contra os exames no secundário e selecção para a universidade. A greve pela abolição de exames atingiu os liceus de todo o país. Na sequência disto, o ministro da Educação disse, temeroso: os exames iam realizar-se, “embora num espírito de benevolência”. O discurso de pais e encarregados de educação dos alunos do liceu Rainha D. Leonor era mais radical, ao mostrar-se a favor da abolição do exame, que “não é mais do que uma contraprova redundante de conhecimentos já devidamente avaliados no decurso do ano lectivo”. Quanto aos alunos da escola comercial D. Maria, eles pediam a “anulação dos exames de dactilografia e caligrafia, pois o estado de nervoso do aluno nestes casos específicos não lhe permite dar a mostra real do seu valor”! Uma última reivindicação: acabar com as aulas ao sábado.

[continua]
publicado por industrias-culturais às 00:01
link | comentar | favorito

...

TESE DE MESTRADO SOBRE RÁDIO EM DEFESA NA UNIVERSIDADE DE COIMBRA

João Magalhães Perpétuo Correia defende hoje, pelas 15:00, a sua tese de mestrado intitulada A convergência das novas tecnologias para o reforço do interesse e utilidade pública das rádios locais, na Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra. Em discussão, as estações locais de Viseu. Prometo voltar ao assunto.

AS NOTÍCIAS EM MAIO DE 1974 - II

[continuação da mensagem de ontem]

Faz-se um registo performativo, no sentido dado por John L. Austin (li a tradução francesa: Quand dire, c’est faire. Paris, Seuil, 1970) pela enunciação, produz-se a acção. Um esclarecimento, declaração, desmentido ou comunicado bastavam para negar a ligação de indivíduos à Pide. Uma curiosa carta, assinada pelo secretário-geral da Cidla, desmentia qualquer ligação com o anterior regime e declarava as suas “reconhecidas convicções liberais”, puro acto elocutório. A linguagem transporta a mudança e expressa a nova mentalidade, que incluiu lutas pela abolição de exames nas escolas, do traje de rigor no teatro S. Carlos, das gravatas na Casa do Alentejo, do boné, gravata e crachá dos motoristas de táxi, da gravata ou qualquer outra imposição de roupa nos alunos de uma escola comercial, da farda da empregada doméstica e do cinto de segurança nos instrutores de automóveis e examinadores. A defesa da integridade física, nos primeiros casos, e a liberdade expressa pela assunção de um vestuário mais informal, nos casos seguintes, definiam, pelo discurso, as novas regras sociais.

Houve também a redefinição das carreiras profissionais, com mudança de nomes. Os enfermeiros do centro de saúde mental do Porto exigiam o fim das hierarquias, unindo tudo numa só categoria profissional. Quanto aos 2500 auxiliares de enfermagem, lutaram pela extinção da categoria e a promoção a enfermeiros. Em plenário, os mestres do ensino secundário reivindicaram a substituição da categoria de mestre pela de professor, enquanto os auxiliares de limpeza das escolas queriam passar à categoria de contínuos. Em anúncio dos hospitais centrais de Lisboa, pedia-se a admissão de empregadas auxiliares, abandonando a velha designação de “criada”, e os jardineiros consideravam-se floricultores e não trabalhadores rurais. As mudanças de nomes pertenciam, na maioria, a carreiras de base. Os nomes antigos estavam depreciados; a alteração dava uma aparência democrática de elevação de classe, de aceitação social pelas tarefas desempenhadas.

De reconhecido papel no futuro do país, a escola e a educação têm uma dimensão apreciável nas notícias do mês de Maio de 1974. Sujeitas a tremendas contradições, fruto de uma polifonia de vozes e de interesses, emergem a utopia e os ideais nos discursos sobre a educação. Para os professores de História do liceu D. João III, era preciso redefinir o “papel da história como elemento primordial da integração consciente e responsável do aluno na nova sociedade”. Para um grupo de professores do Porto, em comunicado, “torna-se urgente que libertemos a criança. (Elas) continuam nas escolas e nos liceus a fazer redacções sobre a Primavera, a carochinha, a desenhar canecas, púcaros e outras futilidades. Ainda não se lhes deu oportunidade de tomar parte activa na onda de liberdade que varreu a ideologia fascista do nosso país”. Um grupo de mobilização dos alunos dos liceus de Sintra escrevia, também em comunicado: “o ensino é cooperação. Temos de trabalhar no sentido da destruição das barreiras clássicas entre professores e alunos. Não se trata mais de amontoar conhecimentos à custa de métodos repressivos, autoritários, negação constante da personalidade dos alunos”.

Os professores, em diversas ocasiões e locais protestaram, no início do mês, contra a possível recondução do ministro Veiga Simão. Estudantes da Faculdade de Letras de Lisboa pediam a abolição da tese de licenciatura e na do Porto reivindicavam a abolição dos exames e o fim do ano lectivo. Em reunião geral, aprovava-se a passagem administrativa. Alunos da escola Aurélia de Sousa destituiam a directora, ao passo que a Faculdade de Letras de Lisboa exigia a expulsão de Veríssimo Serrão, Borges Macedo e outros professores e a readmissão de professores afastados por razões ideológicas e políticas. Mas outros alunos defendiam a manutenção de Borges de Macedo. Um abaixo-assinado propunha baixar a média de dispensa de exames do 7º ano de 14 para 12 valores. Os alunos do 3º ano dos liceus do Porto, em petição, pretendiam a dispensa de exames com média de 10 valores. Outros estudantes do secundário iam mais longe, ao exigirem aprovação com 8,5 valores na escrita ou na oral. Outros ainda, um pouco mais moderados, pediam dispensa de exames liceais a partir de 9,5 valores.

Em Coimbra, os estudantes pretendiam a abolição dos exames de admissão à universidade. Uma manifestação em Lisboa, com cerca de sete mil estudantes, estava contra os exames no secundário e selecção para a universidade. A greve pela abolição de exames atingiu os liceus de todo o país. Na sequência disto, o ministro da Educação disse, temeroso: os exames iam realizar-se, “embora num espírito de benevolência”. O discurso de pais e encarregados de educação dos alunos do liceu Rainha D. Leonor era mais radical, ao mostrar-se a favor da abolição do exame, que “não é mais do que uma contraprova redundante de conhecimentos já devidamente avaliados no decurso do ano lectivo”. Quanto aos alunos da escola comercial D. Maria, eles pediam a “anulação dos exames de dactilografia e caligrafia, pois o estado de nervoso do aluno nestes casos específicos não lhe permite dar a mostra real do seu valor”! Uma última reivindicação: acabar com as aulas ao sábado.

[continua]
publicado por industrias-culturais às 00:01
link | comentar | favorito

...

TESE DE MESTRADO SOBRE RÁDIO EM DEFESA NA UNIVERSIDADE DE COIMBRA

João Magalhães Perpétuo Correia defende hoje, pelas 15:00, a sua tese de mestrado intitulada A convergência das novas tecnologias para o reforço do interesse e utilidade pública das rádios locais, na Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra. Em discussão, as estações locais de Viseu. Prometo voltar ao assunto.

AS NOTÍCIAS EM MAIO DE 1974 - II

[continuação da mensagem de ontem]

Faz-se um registo performativo, no sentido dado por John L. Austin (li a tradução francesa: Quand dire, c’est faire. Paris, Seuil, 1970) pela enunciação, produz-se a acção. Um esclarecimento, declaração, desmentido ou comunicado bastavam para negar a ligação de indivíduos à Pide. Uma curiosa carta, assinada pelo secretário-geral da Cidla, desmentia qualquer ligação com o anterior regime e declarava as suas “reconhecidas convicções liberais”, puro acto elocutório. A linguagem transporta a mudança e expressa a nova mentalidade, que incluiu lutas pela abolição de exames nas escolas, do traje de rigor no teatro S. Carlos, das gravatas na Casa do Alentejo, do boné, gravata e crachá dos motoristas de táxi, da gravata ou qualquer outra imposição de roupa nos alunos de uma escola comercial, da farda da empregada doméstica e do cinto de segurança nos instrutores de automóveis e examinadores. A defesa da integridade física, nos primeiros casos, e a liberdade expressa pela assunção de um vestuário mais informal, nos casos seguintes, definiam, pelo discurso, as novas regras sociais.

Houve também a redefinição das carreiras profissionais, com mudança de nomes. Os enfermeiros do centro de saúde mental do Porto exigiam o fim das hierarquias, unindo tudo numa só categoria profissional. Quanto aos 2500 auxiliares de enfermagem, lutaram pela extinção da categoria e a promoção a enfermeiros. Em plenário, os mestres do ensino secundário reivindicaram a substituição da categoria de mestre pela de professor, enquanto os auxiliares de limpeza das escolas queriam passar à categoria de contínuos. Em anúncio dos hospitais centrais de Lisboa, pedia-se a admissão de empregadas auxiliares, abandonando a velha designação de “criada”, e os jardineiros consideravam-se floricultores e não trabalhadores rurais. As mudanças de nomes pertenciam, na maioria, a carreiras de base. Os nomes antigos estavam depreciados; a alteração dava uma aparência democrática de elevação de classe, de aceitação social pelas tarefas desempenhadas.

De reconhecido papel no futuro do país, a escola e a educação têm uma dimensão apreciável nas notícias do mês de Maio de 1974. Sujeitas a tremendas contradições, fruto de uma polifonia de vozes e de interesses, emergem a utopia e os ideais nos discursos sobre a educação. Para os professores de História do liceu D. João III, era preciso redefinir o “papel da história como elemento primordial da integração consciente e responsável do aluno na nova sociedade”. Para um grupo de professores do Porto, em comunicado, “torna-se urgente que libertemos a criança. (Elas) continuam nas escolas e nos liceus a fazer redacções sobre a Primavera, a carochinha, a desenhar canecas, púcaros e outras futilidades. Ainda não se lhes deu oportunidade de tomar parte activa na onda de liberdade que varreu a ideologia fascista do nosso país”. Um grupo de mobilização dos alunos dos liceus de Sintra escrevia, também em comunicado: “o ensino é cooperação. Temos de trabalhar no sentido da destruição das barreiras clássicas entre professores e alunos. Não se trata mais de amontoar conhecimentos à custa de métodos repressivos, autoritários, negação constante da personalidade dos alunos”.

Os professores, em diversas ocasiões e locais protestaram, no início do mês, contra a possível recondução do ministro Veiga Simão. Estudantes da Faculdade de Letras de Lisboa pediam a abolição da tese de licenciatura e na do Porto reivindicavam a abolição dos exames e o fim do ano lectivo. Em reunião geral, aprovava-se a passagem administrativa. Alunos da escola Aurélia de Sousa destituiam a directora, ao passo que a Faculdade de Letras de Lisboa exigia a expulsão de Veríssimo Serrão, Borges Macedo e outros professores e a readmissão de professores afastados por razões ideológicas e políticas. Mas outros alunos defendiam a manutenção de Borges de Macedo. Um abaixo-assinado propunha baixar a média de dispensa de exames do 7º ano de 14 para 12 valores. Os alunos do 3º ano dos liceus do Porto, em petição, pretendiam a dispensa de exames com média de 10 valores. Outros estudantes do secundário iam mais longe, ao exigirem aprovação com 8,5 valores na escrita ou na oral. Outros ainda, um pouco mais moderados, pediam dispensa de exames liceais a partir de 9,5 valores.

Em Coimbra, os estudantes pretendiam a abolição dos exames de admissão à universidade. Uma manifestação em Lisboa, com cerca de sete mil estudantes, estava contra os exames no secundário e selecção para a universidade. A greve pela abolição de exames atingiu os liceus de todo o país. Na sequência disto, o ministro da Educação disse, temeroso: os exames iam realizar-se, “embora num espírito de benevolência”. O discurso de pais e encarregados de educação dos alunos do liceu Rainha D. Leonor era mais radical, ao mostrar-se a favor da abolição do exame, que “não é mais do que uma contraprova redundante de conhecimentos já devidamente avaliados no decurso do ano lectivo”. Quanto aos alunos da escola comercial D. Maria, eles pediam a “anulação dos exames de dactilografia e caligrafia, pois o estado de nervoso do aluno nestes casos específicos não lhe permite dar a mostra real do seu valor”! Uma última reivindicação: acabar com as aulas ao sábado.

[continua]
publicado por industrias-culturais às 00:01
link | comentar | favorito

...

TESE DE MESTRADO SOBRE RÁDIO EM DEFESA NA UNIVERSIDADE DE COIMBRA

João Magalhães Perpétuo Correia defende hoje, pelas 15:00, a sua tese de mestrado intitulada A convergência das novas tecnologias para o reforço do interesse e utilidade pública das rádios locais, na Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra. Em discussão, as estações locais de Viseu. Prometo voltar ao assunto.

AS NOTÍCIAS EM MAIO DE 1974 - II

[continuação da mensagem de ontem]

Faz-se um registo performativo, no sentido dado por John L. Austin (li a tradução francesa: Quand dire, c’est faire. Paris, Seuil, 1970) pela enunciação, produz-se a acção. Um esclarecimento, declaração, desmentido ou comunicado bastavam para negar a ligação de indivíduos à Pide. Uma curiosa carta, assinada pelo secretário-geral da Cidla, desmentia qualquer ligação com o anterior regime e declarava as suas “reconhecidas convicções liberais”, puro acto elocutório. A linguagem transporta a mudança e expressa a nova mentalidade, que incluiu lutas pela abolição de exames nas escolas, do traje de rigor no teatro S. Carlos, das gravatas na Casa do Alentejo, do boné, gravata e crachá dos motoristas de táxi, da gravata ou qualquer outra imposição de roupa nos alunos de uma escola comercial, da farda da empregada doméstica e do cinto de segurança nos instrutores de automóveis e examinadores. A defesa da integridade física, nos primeiros casos, e a liberdade expressa pela assunção de um vestuário mais informal, nos casos seguintes, definiam, pelo discurso, as novas regras sociais.

Houve também a redefinição das carreiras profissionais, com mudança de nomes. Os enfermeiros do centro de saúde mental do Porto exigiam o fim das hierarquias, unindo tudo numa só categoria profissional. Quanto aos 2500 auxiliares de enfermagem, lutaram pela extinção da categoria e a promoção a enfermeiros. Em plenário, os mestres do ensino secundário reivindicaram a substituição da categoria de mestre pela de professor, enquanto os auxiliares de limpeza das escolas queriam passar à categoria de contínuos. Em anúncio dos hospitais centrais de Lisboa, pedia-se a admissão de empregadas auxiliares, abandonando a velha designação de “criada”, e os jardineiros consideravam-se floricultores e não trabalhadores rurais. As mudanças de nomes pertenciam, na maioria, a carreiras de base. Os nomes antigos estavam depreciados; a alteração dava uma aparência democrática de elevação de classe, de aceitação social pelas tarefas desempenhadas.

De reconhecido papel no futuro do país, a escola e a educação têm uma dimensão apreciável nas notícias do mês de Maio de 1974. Sujeitas a tremendas contradições, fruto de uma polifonia de vozes e de interesses, emergem a utopia e os ideais nos discursos sobre a educação. Para os professores de História do liceu D. João III, era preciso redefinir o “papel da história como elemento primordial da integração consciente e responsável do aluno na nova sociedade”. Para um grupo de professores do Porto, em comunicado, “torna-se urgente que libertemos a criança. (Elas) continuam nas escolas e nos liceus a fazer redacções sobre a Primavera, a carochinha, a desenhar canecas, púcaros e outras futilidades. Ainda não se lhes deu oportunidade de tomar parte activa na onda de liberdade que varreu a ideologia fascista do nosso país”. Um grupo de mobilização dos alunos dos liceus de Sintra escrevia, também em comunicado: “o ensino é cooperação. Temos de trabalhar no sentido da destruição das barreiras clássicas entre professores e alunos. Não se trata mais de amontoar conhecimentos à custa de métodos repressivos, autoritários, negação constante da personalidade dos alunos”.

Os professores, em diversas ocasiões e locais protestaram, no início do mês, contra a possível recondução do ministro Veiga Simão. Estudantes da Faculdade de Letras de Lisboa pediam a abolição da tese de licenciatura e na do Porto reivindicavam a abolição dos exames e o fim do ano lectivo. Em reunião geral, aprovava-se a passagem administrativa. Alunos da escola Aurélia de Sousa destituiam a directora, ao passo que a Faculdade de Letras de Lisboa exigia a expulsão de Veríssimo Serrão, Borges Macedo e outros professores e a readmissão de professores afastados por razões ideológicas e políticas. Mas outros alunos defendiam a manutenção de Borges de Macedo. Um abaixo-assinado propunha baixar a média de dispensa de exames do 7º ano de 14 para 12 valores. Os alunos do 3º ano dos liceus do Porto, em petição, pretendiam a dispensa de exames com média de 10 valores. Outros estudantes do secundário iam mais longe, ao exigirem aprovação com 8,5 valores na escrita ou na oral. Outros ainda, um pouco mais moderados, pediam dispensa de exames liceais a partir de 9,5 valores.

Em Coimbra, os estudantes pretendiam a abolição dos exames de admissão à universidade. Uma manifestação em Lisboa, com cerca de sete mil estudantes, estava contra os exames no secundário e selecção para a universidade. A greve pela abolição de exames atingiu os liceus de todo o país. Na sequência disto, o ministro da Educação disse, temeroso: os exames iam realizar-se, “embora num espírito de benevolência”. O discurso de pais e encarregados de educação dos alunos do liceu Rainha D. Leonor era mais radical, ao mostrar-se a favor da abolição do exame, que “não é mais do que uma contraprova redundante de conhecimentos já devidamente avaliados no decurso do ano lectivo”. Quanto aos alunos da escola comercial D. Maria, eles pediam a “anulação dos exames de dactilografia e caligrafia, pois o estado de nervoso do aluno nestes casos específicos não lhe permite dar a mostra real do seu valor”! Uma última reivindicação: acabar com as aulas ao sábado.

[continua]
publicado por industrias-culturais às 00:01
link | comentar | favorito

...

TESE DE MESTRADO SOBRE RÁDIO EM DEFESA NA UNIVERSIDADE DE COIMBRA



João Magalhães Perpétuo Correia defende hoje, pelas 15:00, a sua tese de mestrado intitulada A convergência das novas tecnologias para o reforço do interesse e utilidade pública das rádios locais, na Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra. Em discussão, as estações locais de Viseu. Prometo voltar ao assunto.



AS NOTÍCIAS EM MAIO DE 1974 - II



[continuação da mensagem de ontem]



Faz-se um registo performativo, no sentido dado por John L. Austin (li a tradução francesa: Quand dire, c’est faire. Paris, Seuil, 1970) pela enunciação, produz-se a acção. Um esclarecimento, declaração, desmentido ou comunicado bastavam para negar a ligação de indivíduos à Pide. Uma curiosa carta, assinada pelo secretário-geral da Cidla, desmentia qualquer ligação com o anterior regime e declarava as suas “reconhecidas convicções liberais”, puro acto elocutório. A linguagem transporta a mudança e expressa a nova mentalidade, que incluiu lutas pela abolição de exames nas escolas, do traje de rigor no teatro S. Carlos, das gravatas na Casa do Alentejo, do boné, gravata e crachá dos motoristas de táxi, da gravata ou qualquer outra imposição de roupa nos alunos de uma escola comercial, da farda da empregada doméstica e do cinto de segurança nos instrutores de automóveis e examinadores. A defesa da integridade física, nos primeiros casos, e a liberdade expressa pela assunção de um vestuário mais informal, nos casos seguintes, definiam, pelo discurso, as novas regras sociais.



Houve também a redefinição das carreiras profissionais, com mudança de nomes. Os enfermeiros do centro de saúde mental do Porto exigiam o fim das hierarquias, unindo tudo numa só categoria profissional. Quanto aos 2500 auxiliares de enfermagem, lutaram pela extinção da categoria e a promoção a enfermeiros. Em plenário, os mestres do ensino secundário reivindicaram a substituição da categoria de mestre pela de professor, enquanto os auxiliares de limpeza das escolas queriam passar à categoria de contínuos. Em anúncio dos hospitais centrais de Lisboa, pedia-se a admissão de empregadas auxiliares, abandonando a velha designação de “criada”, e os jardineiros consideravam-se floricultores e não trabalhadores rurais. As mudanças de nomes pertenciam, na maioria, a carreiras de base. Os nomes antigos estavam depreciados; a alteração dava uma aparência democrática de elevação de classe, de aceitação social pelas tarefas desempenhadas.



De reconhecido papel no futuro do país, a escola e a educação têm uma dimensão apreciável nas notícias do mês de Maio de 1974. Sujeitas a tremendas contradições, fruto de uma polifonia de vozes e de interesses, emergem a utopia e os ideais nos discursos sobre a educação. Para os professores de História do liceu D. João III, era preciso redefinir o “papel da história como elemento primordial da integração consciente e responsável do aluno na nova sociedade”. Para um grupo de professores do Porto, em comunicado, “torna-se urgente que libertemos a criança. (Elas) continuam nas escolas e nos liceus a fazer redacções sobre a Primavera, a carochinha, a desenhar canecas, púcaros e outras futilidades. Ainda não se lhes deu oportunidade de tomar parte activa na onda de liberdade que varreu a ideologia fascista do nosso país”. Um grupo de mobilização dos alunos dos liceus de Sintra escrevia, também em comunicado: “o ensino é cooperação. Temos de trabalhar no sentido da destruição das barreiras clássicas entre professores e alunos. Não se trata mais de amontoar conhecimentos à custa de métodos repressivos, autoritários, negação constante da personalidade dos alunos”.



Os professores, em diversas ocasiões e locais protestaram, no início do mês, contra a possível recondução do ministro Veiga Simão. Estudantes da Faculdade de Letras de Lisboa pediam a abolição da tese de licenciatura e na do Porto reivindicavam a abolição dos exames e o fim do ano lectivo. Em reunião geral, aprovava-se a passagem administrativa. Alunos da escola Aurélia de Sousa destituiam a directora, ao passo que a Faculdade de Letras de Lisboa exigia a expulsão de Veríssimo Serrão, Borges Macedo e outros professores e a readmissão de professores afastados por razões ideológicas e políticas. Mas outros alunos defendiam a manutenção de Borges de Macedo. Um abaixo-assinado propunha baixar a média de dispensa de exames do 7º ano de 14 para 12 valores. Os alunos do 3º ano dos liceus do Porto, em petição, pretendiam a dispensa de exames com média de 10 valores. Outros estudantes do secundário iam mais longe, ao exigirem aprovação com 8,5 valores na escrita ou na oral. Outros ainda, um pouco mais moderados, pediam dispensa de exames liceais a partir de 9,5 valores.



Em Coimbra, os estudantes pretendiam a abolição dos exames de admissão à universidade. Uma manifestação em Lisboa, com cerca de sete mil estudantes, estava contra os exames no secundário e selecção para a universidade. A greve pela abolição de exames atingiu os liceus de todo o país. Na sequência disto, o ministro da Educação disse, temeroso: os exames iam realizar-se, “embora num espírito de benevolência”. O discurso de pais e encarregados de educação dos alunos do liceu Rainha D. Leonor era mais radical, ao mostrar-se a favor da abolição do exame, que “não é mais do que uma contraprova redundante de conhecimentos já devidamente avaliados no decurso do ano lectivo”. Quanto aos alunos da escola comercial D. Maria, eles pediam a “anulação dos exames de dactilografia e caligrafia, pois o estado de nervoso do aluno nestes casos específicos não lhe permite dar a mostra real do seu valor”! Uma última reivindicação: acabar com as aulas ao sábado.



[continua]
publicado por industrias-culturais às 00:01
link | comentar | favorito

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 1 seguidor

.pesquisar

.Junho 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
13
27
28
29
30

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Transportes públicos japo...

. Televisão japonesa

. Templos em Tóquio

. Novos diretores de jornai...

. Santuário Fushimi Inari T...

. Templo do Pavilhão Dourad...

. Kiyomizu-dera (leste de Q...

. Castelo Nijo (Quioto)

. Quioto à hora do jantar

. Introdução ao teatro Bunr...

.arquivos

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

. Março 2004

. Fevereiro 2004

. Janeiro 2004

. Dezembro 2003

. Novembro 2003

. Outubro 2003

. Agosto 2003

. Abril 2003

. Março 2003

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds

Em destaque no SAPO Blogs
pub